Coronavírus: Argentina, Venezuela e Bolívia suspendem voos da Europa

Compartilhe agora

Presidente Alberto Fernández e seu chefe de gabinete, Santiago Cafiero.

O presidente da Argentina Alberto Fernández em rede nacional de rádio e TV, na noite de quinta-feira (12),decreto que determina a suspensão, em princípio por 30 dias, dos voos internacionais provenientes das zonas mais afetadas pela pandemia, como Europa, China, Estados Unidos, Coreia do Sul e Irã.

As companhias aéreas das zonas afetadas na Europa poderão operar até segunda-feira (16) para levar residentes aos seus países de origem. Depois desse período, apenas a companhia aérea estatal Aerolíneas Argentinas poderá repatriar residentes na Argentina.

“Dentro dessa restrição, o decreto afirma que serão implementadas medidas para facilitar o regresso desses países de residentes na Argentina”, sublinhou Alberto Fernández.

O pronunciamento do presidente argentino aconteceu no mesmo dia em que o número de contagiados no país aumentou em 50%, passando de 21 para 31 infectados, além do falecido no último dia 7 de março. Dos dez novos casos, três são os primeiros com transmissão local por contato estreito com pessoas que anteriormente vieram de zonas afetadas.

O decreto determina ainda que “o governo poderá determinar medidas para evitar o desabastecimento” e “para estabelecer preços máximos para o álcool gel, máscaras e outros insumos críticos”.

LEIA TAMBÉM:

Governo recomenda cancelamento de eventos por causa do coronavírus

UNE cancela manifestações do dia 18 para evitar risco de coronavírus

PSOL suspende plenárias do 7º Congresso do partido devido ao coronavírus

A decisão argentina chega no mesmo dia em que Bolívia e Venezuela também anunciaram a suspensão de voos da Europa para conter o avanço da doença. “Determinei a suspensão de todos os voos da Europa, começando a partir da zero hora de sábado”, anunciou a presidente boliviana, Jeanine Áñez, ao declarar a emergência nacional.

A medida vem acompanhada da suspensão das aulas em todos os níveis educacionais, além da proibição de eventos públicos de mais de mil pessoas até 31 de março. A Bolívia está em plena campanha eleitoral, com Jeanine Áñez como candidata a presidente, e o candidato com mais capacidade de mobilização social é o opositor Luis Arce, do Movimento Ao Socialismo de Evo Morales.

Assim como a Argentina, a presidente boliviana também anunciou que vai controlar o preço dos insumos médicos necessários para combater o vírus. A Bolívia tem apenas três casos de coronavirus. Dois de infectados na Itália; um na Espanha.

Embora a Venezuela não tenha, oficialmente, nenhum caso confirmado, o venezuelano Nicolás Maduro decidiu “suspender por um mês todos os voos provenientes da Europa, mas também da Colômbia”.

Maduro também anunciou “a proibição de concentrações ou de eventos maciços, além do fechamento de espaços públicos”.

*As informações são da Rádio France Internacional