Cloroquina intoxica dois na Nigéria; droga é defendida por Bolsonaro contra Covid-19

Publicado em 22 março, 2020

Bolsonaro e seu “comitê de crise” –formado pelos filhos– gravam o vídeo anunciando a “cura” por meio da cloroquina.
O remédio em teste contra coronavírus, a cloroquina, foi responsável pela intoxicação de duas pessoas em em Lagos, na Nigéria. A informação é da Folha de S. Paulo, neste domingo (22).

O medicamento a base da hidroxicloroquina foi apontada como solução para “curar” a Covid-19 neste sábado (21) pelo presidente Jair Bolsonaro, que anunciou o Exército produzindo a droga em escala industrial.

A corrida pela coloroquina começou depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na quinta (19) que o medicamento estava sendo usando no tratamento de pacientes infectados pelo coronavírus. A mesma declaração repetiu ontem Bolsonaro, em Brasília, em vídeo publicado nas redes sociais.

LEIA TAMBÉM
Médica de São Paulo detona Mandetta, o ‘coveiro do SUS’, e viraliza

CNJ orienta juízes sobre falsa cura do coronavírus por meio da hidroxicloroquina

Albert Einstein desmente Bolsonaro sobre cura do coronavírus; assista ao vídeo

Bolsonaro faz vídeo sobre possível cura do Coronavírus; assista

Em Lagos, na Nigéria, a cloroquina sumiu do mercado. E no Brasil, as autoridades sanitárias correram para negar os efeitos milagrosos do medicamento em teste no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

A coloroquina é usada por pacientes com lúpus e artrite reumatoide.

Apesar do entusiasmo do presidente Jair Bolsonaro, o Hospital Albert Einstein desmentiu que já tivesse a cura do Covid-19; a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) também reprovou especulações irresponsáveis; e o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) igualmente alertou os magistrados sobre a falsa cura pela cloroquina e hidroxicloroquina.