Bolsonaro terá de explicar ao Senado a retirada de diplomatas da Venezuela

Compartilhe agora

O senador Telmário Mota (PROS-RR), líder do partido no Senado, requereu ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) informações sobre a retirada de diplomatas brasileiros da Venezuela.

No dia 5 de março de 2020, o Diário Oficial da União publicou a ordem de retirada de quatro diplomatas e sete funcionários integrantes da nossa representação diplomática na Venezuela.

Os diplomatas estavam em postos localizados em Caracas, Ciudad Guayana e Santa Elena do Uairen. Entre os representantes diplomáticos retirados da Venezuela, estão a ministra de primeira classe Elza Moreira Marcelino de Castro e os conselheiros Francisco Chaves do Nascimento Filho, Carlos Leopoldo Gonçalves de Oliveira e Rodolfo Braga.

Telmário Mota afirma no ofício encaminhado ao ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que são preocupantes as notícias de crescentes hostilidades da parte do governo Bolsonaro para com o governo da Venezuela.

“O quadro atual, que já é desfavorável aos negócios, tende a se agravar com o esvaziamento da nossa representação diplomática pela retirada de diplomatas brasileiros com o objetivo, ao que parece, de promover, pela via da reciprocidade, a consequente esterilização da representação diplomática designada pelo atual governo venezuelano no Brasil”, disse o parlamentar, que detalhou em números a balança comercial favorável para o Brasil.

LEIA TAMBÉM

Venezuela agradece apoio de mulheres do MST, Gleisi e Dilma contra ameaças de Trump e Bolsonaro

Maduro: ‘pedimos ao povo do Brasil que pare a aventura de Bolsonaro’

Bolsonaro, bucha de canhão de Trump, pode iniciar guerra contra Venezuela

Maduro dispara contra Bolsonaro: quer o Brasil numa guerra contra a Venezuela

Veja essa: Senador “demite” Eduardo Bolsonaro das “Relações Exteriores”

“Tais medidas, permita-me Vossa Excelência que eu o diga com absoluta franqueza, não consultam o interesse nacional”, opina o senador. “As relações internacionais não são lugar para manifestações ideológicas quixotescas, mas de acentuado, prudente e responsável pragmatismo. Foi assim que se portou nossa política externa desde o Presidente Ernesto Garrastazu Médici e continuou com os presidentes Ernesto Geisel, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso e Lula”, espinafrou Telmário Mota.

“É o que esperamos do Itamaraty no atual governo. Não será o caricato senhor Juan Guaidó, autoproclamado Presidente de um imaginário e inexistente governo, que assegurará o fornecimento de calcário para a nossa agricultura, nem energia, nem fornecerá os documentos necessários às transações comerciais no solo venezuelano, nem assegurará os direitos dos brasileiros que vivem no país vizinho”, esclareceu.

O senador Telmário Mota pede as seguintes informações ao governo Bolsonaro, acerca da retirada de diplomatas da Venezuela:

Diante do exposto, peço que Vossa Excelência, informe a este Senador:

  • quais os objetivos dessa medida;
  • se elas são preparatórias de um rompimento diplomático com a Venezuela;
  • que análise o Itamaraty possui para a economia e sociedade de Roraima num cenário de rompimento diplomático com a Venezuela;
  • como o Brasil será representado na Venezuela na referida hipótese de rompimento de relações diplomáticas; e
  • como o Brasil pretende assegurar os direitos e interesses dos cidadãos e empresas roraimenses na Venezuela na mencionada hipótese.

Clique aqui para ler a íntegra do documento.