Bolsonaro quer isolamento somente para idosos e doentes no País; assista ao vídeo

Publicado em 25 março, 2020

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ainda surtado, defendeu na manhã desta quarta (25) mudança na orientação de isolamento da população durante a pandemia do novo coronavírus apenas para idosos e pessoas com outras doenças.

.

A ser abordado na saída do Palácio da Alvorada, hoje pela manhã, Bolsonaro disse que irá conversar com o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, sobre a decisão de isolar os idosos e doentes.

Jair Bolsonaro chamou essa nova medida de “isolamento vertical”, ou seja, apenas para o grupo de risco.

O presidente também voltou a defender a abertura de escolas e do comércio, bem como criticou os governadores do Rio de Janeiro e de São Paulo por adotarem medidas de isolamento para conter o avanço do COVID-19.

.

Veja o que falou Bolsonaro neste 25 de março:

  • “Conversei por alto com o Mandetta ontem (terça-feira). Hoje vamos definir essa situação. Tem que ser, não tem outra alternativa. A orientação vai ser vertical daqui para frente. Eu vou conversar com ele e tomar a decisão. Não escreva que já decidi, não. Vou conversar com o Mandetta sobre essa orientação.”

 

  • “É preciso botar povo para trabalhar e preservar idosos. Nós temos que tomar decisões neste momento difícil. Não sou eu que vou procurar a mídia e ter um discurso de calamidade, de histeria, como se eu fosse o pai de todos os brasileiros. Eu sou pai, entre aspas, para conduzir o destino do Brasil.”

LEIA TAMBÉM
Incra usa nova MP de Bolsonaro para negar informações ao MPF

.

Bolsonaro radicaliza e defende a ‘abertura’ do comércio

Em nota, Secretários de Saúde do Nordeste criticam pronunciamento de Bolsonaro

Infectologistas reafirmam que isolamento é fundamental diante do Coronavírus

.

 

  • “Estou vendo aqui que estou apanhando direto. Não estou preocupado com a minha popularidade. Eu tenho uma missão de quatro anos. Se vai ser oito, a gente vai ver em 22. Deus e o povo vão decidir.” 

 

  • “O que precisa ser feito: botar esse povo para trabalhar, preservar os idosos, preservar aqueles que têm problemas de saúde, mais nada além disso. Caso contrário, o que aconteceu no Chile vai ser fichinha perto do que pode acontecer no Brasil.”

 

  • “Todos nós pagaremos um preço que levará anos para ser pago, se é que Brasil não possa ainda sair da normalidade democrática que vocês tanto defendem. Ninguém sabe o que pode acontecer no Brasil.”
.

 

  • “Você tem que pegar o idoso e isolá-lo, com hotéis ou em casa. Cada filho, cuide de seu pai, poxa. Não quer que eu contrate uma pessoa para cuidar de cada idoso. É impossível.” 

 

  • “Cara, você tem que isolar quem você pode. Você quer que eu faça o quê? Eu tenho o poder de pegar cada idoso lá e levar para um negócio? Fica aí, vai ter um pessoal para te tratar. É a família dele que tem que cuidar dele no primeiro lugar,. O povo tem que deixar de deixar tudo nas costas do poder público. Aqui não é uma ditadura, é uma democracia. A família em primeiro lugar. Esse foi o discurso que me elegeu, inclusive. Os responsáveis pela minha mãe de 92 anos são os seus meia dúzia filhos. Nós que somos responsáveis pela minha mãe no momento. Em último lugar, se não tiver ninguém, daí um asilo.”.