Bolsonaro desafia Maia e Alcolumbre a saírem às ruas em entrevista na CNN Brasil

Compartilhe agora

O presidente Jair Bolsonaro prestigiou a CNN Brasil, neste domingo (15), concedendo entrevista à emissora que inaugurou às 20h de hoje.

Perguntado sobre o que tinha a dizer aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), sobre a crítica deles à sua participação na manifestação contra o Congresso, Bolsonaro os desafiou a saíram às ruas.

“Eles que saíam às ruas”, desafiou ao vivo em frente ao Palácio do Alvorada.

“Saiam às ruas, vamos ver como vocês são recebidos”, provocou Bolsonaro. “Acordos não podem ser feitos entre nós em gabinetes refrigerados”, completou o presidente.

Maia afirmou que “ele [presidente da República] está mais preocupado em assistir às manifestações que atentam contra as instituições e a saúde da população.”

LEIA TAMBÉM
CNN Brasil entra no ar hoje com a proposta de desbancar a GloboNews

URGENTE: PT pede impeachment para Bolsonaro

Coronavírus é usado como ‘freio de arrumação’ na economia dos EUA

Davi Alcolumbre também puxou em pública a orelha de Bolsonaro.

Para o presidente do Senado, a pandemia do coronavírus fechando as fronteiras dos países e assustando o mundo, é inconsequente estimular a aglomeração de pessoas nas ruas. “A gravidade da pandemia exige de todos os brasileiros, e inclusive do presidente da República, responsabilidade”, cobrou.

Bolsonaro explicou à CNN Brasil que os protestos de hoje foram contra a tentativa de o Congresso usurpar poderes do Executivo. Segundo ele, quem executa o orçamento é o executivo, não o parlamento, que quer gerir R$ 15 bilhões por meio do orçamento impositivo.

O presidente Jair Bolsonaro também minimizou o fato dele ter saído do isolamento, por causa de suspeita de coronavírus, para interagir com manifestantes em frente ao Palácio do Planalto. Para ele, tem muita histeria e que quem tiver de pegar o vírus vai pegar.

“Proibir de uma forma muito rígida não vai conter o problema”, disse. De acordo com o presidente, o coronavírus deve ser tratado com seriedade mas sem “histeria”. “A economia tem de funcionar, não podemos ter onda de desemprego, que leva pessoas que já não se alimentam muito bem a se alimentarem ainda pior”, filosofou.

A CNN Brasil surgiu com o entusiasmo do governo Bolsonaro e a retaguarda da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).