Bernie Sanders tentará na terça recuperar a dianteira nas primárias do Partido Democrata

Compartilhe agora

Bernie Sanders e Joe Biden estão tecnicamente empatados nas primárias do Partido Democrata.
O senador Bernie Sanders está com 4% a menos de delegados na disputa pelas primárias no Partido Democrata. Ele foi surpreendido na última Superterça pelo ex-vice-presidente dos EUA, Joe Biden, porém ele terá a chance na próxima terça-feira (10) de recuperar a dianteira.

A próxima jornada de terça (10) para escolher o adversário democrata do presidente Donald Trump ocorrerá nos seguintes estados:

  • Dakota do Norte;
  • Idaho, Michigan;
  • Mississippi;
  • Missouri; e
  • Washington.

O ex-vice do presidente Barack Obama, Biden, conta com a simpatia dos especuladores da Wall Stree. Na semana passada, após a Superterça, ele recebeu apoio de Michel Bloomberg, que desistiu da corrida.

LEIA TAMBÉM

Bernie Sanders vai vencer primárias do Partido Democrata, diz pesquisa da The Economist

Bolsonaro quer acabar com o SUS; Bernie Sanders propõe criação de um SUS

Jornalista bolsonarista diz ter medo de Sanders vencer nos EUA

Quanto a Sanders, que liderava as pesquisas até a Superterça, tem fôlego para buscar a diferença de apenas 4% em relação a Biden. A desistência da senadora Elizabeth Warren, que vai engrossar a campanha do senador pelo estado de Vermont.

Veja como está a apuração parcial, até aqui, nas primárias do Partido Democrata:

  • Joe Biden — 664
  • Bernie Sanders – 573
  • Elizabeth Warren — 64 (desistiu)
  • Michel Bloomberg — 61 (desistiu)
  • Pete Buttigieg — 26 (desistiu)
  • Amy Klobuchar — 7 (desistiu)
  • Tulsi Gabbard — 2 (desistiu)

O Blog do Esmael teve informações de analistas políticos recém-chegados de New York. Eles afirmam que há uma comoção nos Estados Unidos favorável a Bernie Sanders, sobretudo em relação ao Medicare For All, o programa de saúde pública, uma espécie de SUS (Sistema Único de Saúde).

Em seu manifesto, lançado no dia 22 de fevereiro, Sanders disse que mais de 30 milhões de americanos ainda não têm seguro de saúde e ainda mais estão com seguro insuficiente.

“Na América, você não deve sofrer ruína financeira porque ficou doente”, discursou.