Bernie Sanders apresenta soluções para o coronavírus e crise econômica nos EUA

Compartilhe agora

O senador Bernie Sanders, a meu ver, tem o melhor plano para combater a pandemia do coronavírus por meio de seu “Medicare for All” (Saúde para Todos). Ele disputa as primárias no Partido Democrata, que vai escolher o adversário do presidente Donald Trump.

Trump não tem um plano para combater a pandemia do coronavírus nem o tsunami que começa a varrer a economia americana e ameaça arrastar o resto do mundo.

Para Sanders, Trump é incapaz para travar a guerra contra a pandemia porque nos Estados Unidos, atualmente, não são garantidos os cuidados de saúde como um direito humano das pessoas.

Do ponto de vista econômico, Bernie Sanders afirma que os trabalhadores, os desempregados, os idosos e os pobres serão os mais afetados pelo coronavírus. Por isso ele propõe, ao invés de incentivos fiscais para empresas, garantir assistência a esses setores mais vulneráveis.

Leia a íntegra do pronunciamento de Bernie Sanderes realizado hoje:

Como devemos responder à crise econômica e de saúde que este país enfrenta

Boa tarde a todos. Nos últimos dias, vimos a crise do coronavírus continuar a crescer exponencialmente.

Deixe-me ser absolutamente claro: em termos de mortes em potencial, o impacto em nossa economia, a crise que enfrentamos pelo coronavírus está na escala de uma grande guerra e devemos agir de acordo.

Ninguém sabe quantas fatalidades podemos ver, mas elas podem igualar ou superar as baixas dos EUA que vimos na Segunda Guerra Mundial.

É um imperativo moral absoluto que nossa resposta – como governo, sociedade, comunidade empresarial e indivíduo – atenda à enormidade dessa crise.

Como as pessoas trabalham em casa e são direcionadas para a quarentena, será fácil sentir que estamos sozinhos nisso, ou que devemos nos preocupar apenas com nós mesmos e deixar que todos os outros se defendam.

Esse é um erro muito perigoso. Antes de mais, devemos lembrar que estamos nisso juntos.

Agora é a hora da solidariedade. Devemos lutar com amor e compaixão pelos mais vulneráveis ​​aos efeitos dessa pandemia.

Se nosso vizinho ou colega de trabalho ficar doente, temos o potencial de ficar doente. Se nossos vizinhos perdem seus empregos, nossas economias locais sofrem e podemos perder nossos empregos. Se médicos e enfermeiros não tiverem o equipamento e a capacidade de pessoal de que precisam agora, pessoas que conhecemos e amamos podem morrer.

Infelizmente, neste momento de crise internacional, o atual governo é amplamente incompetente e sua incompetência e imprudência ameaçaram a vida de muitas pessoas.

Então hoje eu gostaria de dar uma visão geral do que devemos fazer como nação.

Primeiro – estamos lidando com uma emergência nacional e o presidente deve declarar uma agora.

Em seguida, como o presidente Trump é incapaz e não quer liderar desinteressadamente, devemos convocar imediatamente uma autoridade bipartidária de emergência de especialistas para apoiar e direcionar uma resposta abrangente, compassiva e baseada principalmente na ciência e nos fatos.

Devemos garantir agressivamente que os setores público e privado cooperem entre si. E precisamos de linhas diretas nacionais e estaduais com pessoal bem treinado e com as melhores informações disponíveis.

Entre muitas perguntas, as pessoas precisam saber: quais são os sintomas do coronavírus? Quando devo procurar tratamento médico? Onde eu vou para um teste?

O povo americano merece transparência, algo que o governo Trump lutou dia após dia para sufocar. Precisamos de informações diárias – informações claras e baseadas na ciência – de vozes científicas confiáveis, não de políticos.

E durante essa crise, devemos garantir que cuidemos das comunidades mais vulneráveis ​​à dor econômica e de saúde que está por vir – aquelas em lares de idosos e instalações de reabilitação, aquelas confinadas em centros de detenção de imigração, aquelas que estão atualmente encarceradas e todas as pessoas independentemente do status da imigração.

LEIA TAMBÉM
Sanders vai para o ‘tudo ou nada’ com Biden no debate de domingo

Reverendo Jesse Jackson declara apoio a Bernie Sanders

Bolsonaro quer acabar com o SUS; Bernie Sanders propõe criação de um SUS

O que devemos fazer em relação aos cuidados de saúde:
Infelizmente, os Estados Unidos estão em grande desvantagem, porque, diferentemente de todos os outros países importantes do mundo, não garantimos os cuidados de saúde como um direito humano. O resultado é que milhões de pessoas neste país não podem se dar ao luxo de procurar um médico, muito menos pagar por um teste de coronavírus. Portanto, enquanto trabalhamos para aprovar um sistema de pagamento único do Medicare for All, o governo dos Estados Unidos deve deixar claro que, em meio a essa emergência, todos no nosso país – independentemente da renda ou de onde moram – devem conseguir dos cuidados de saúde de que precisam sem custo.

Obviamente, quando uma vacina ou outro tratamento eficaz é desenvolvido, ela deve ser gratuita.

Não podemos viver em uma nação onde, se você tiver o dinheiro, recebe o tratamento necessário para sobreviver, mas se é da classe trabalhadora ou pobre, chega ao fim da fila. Isso seria moralmente inaceitável.

Além disso, precisamos de financiamento de emergência agora para família paga e licença médica. Qualquer pessoa doente deve poder ficar em casa durante essa emergência e receber seu salário.

O que não queremos ver é que, no momento em que metade de nosso pessoal vive de salário em salário, quando precisam ir trabalhar para cuidar de sua família, não queremos ver pessoas indo trabalhar quem são. doente e pode espalhar o coronavírus.

Também precisamos de uma expansão imediata dos centros comunitários de saúde neste país, para que todo americano tenha acesso a um centro de saúde próximo.

Para onde eu vou? Como faço para fazer um teste? Como obtenho os resultados desse teste? Precisamos muito expandir nossas capacidades de atenção primária à saúde neste país e isso inclui a expansão de centros comunitários de saúde.

Precisamos determinar o status de nossos testes e processamento para o coronavírus. O governo deve responder agressivamente para garantir que de fato temos o teste mais recente e mais eficaz disponível e os meios mais rápidos de processar esses testes.

Existem outros países ao redor do mundo que estão se saindo melhor do que nós nesse sentido. Deveríamos estar aprendendo com eles.

Ninguém contesta que haja uma grande escassez de unidades de UTI e de ventiladores necessários para responder a esta crise. O governo federal deve trabalhar agressivamente com o setor privado para garantir que esse equipamento esteja disponível para hospitais e o resto da comunidade médica.

Nosso sistema de saúde atual não possui os médicos e enfermeiros de que precisamos atualmente. Estamos com falta de pessoal. Durante esta crise, precisamos mobilizar médicos residentes, profissionais médicos aposentados e outras equipes médicas para nos ajudar a lidar com essa crise.

Precisamos garantir que médicos, enfermeiros e profissionais médicos tenham as instruções e os equipamentos de proteção individual necessários.

Isso não ocorre apenas porque nos preocupamos com o bem-estar dos profissionais médicos, mas se eles diminuem, nossa capacidade de responder a essa crise diminui significativamente.

A indústria farmacêutica deve ser informada em termos inequívocos de que os medicamentos que fabricam para esta crise serão vendidos a preço de custo. Este não é o momento para lucrar ou obter preços.

Abordando esta crise econômica:
O coronavírus já está causando um colapso econômico global, que está impactando pessoas em todo o mundo e em nosso próprio país, e é especialmente perigoso para as famílias de baixa renda e trabalhadores. Pessoas que hoje, antes da crise, estavam lutando economicamente.

Em vez de fornecer mais incentivos fiscais para o primeiro por cento e as grandes empresas, precisamos prestar assistência econômica aos idosos – e eu me preocupo muito com os idosos neste país hoje, muitos dos quais estão isolados e muitos dos quais não têm muito dinheiro.

Nós precisa se preocupar com aqueles que já estão doentes. Nós precisa se preocupar com as famílias que trabalham com crianças, pessoas com deficiência, os sem-teto e todos aqueles que são vulneráveis.

Precisamos oferecer em que a assistência desemprego contexto de emergência para quem perde o emprego não por culpa dos seus próprios.

Neste momento, 23 por cento daqueles que são elegíveis para receber o seguro-desemprego não recebê-lo.

De acordo com a nossa proposta, todos que perdem um emprego devem se qualificar para receber uma indenização de desemprego de pelo menos 100% de seu salário anterior, com um limite de 1.150 dólares por semana ou 60.000 dólares por ano.

Além disso, aqueles que dependem de gorjetas – e a indústria de restaurantes está sofrendo muito com o colapso – trabalhadores, trabalhadores domésticos e contratados independentes também se qualificam para o seguro-desemprego para compensar a renda que perdem durante a crise.

Precisamos garantir que idosos, pessoas com deficiência e famílias com crianças tenham acesso a alimentos nutritivos. Isso significa expandir o programa Meals on Wheels, o programa de merenda escolar e o SNAP para que ninguém fique com fome durante esta crise e todos que não puderem sair de casa possam receber refeições nutritivas entregues diretamente no local onde moram.

Também precisamos nesta crise econômica colocar uma moratória imediata em despejos, execuções hipotecárias e desligamentos de serviços públicos, para que ninguém perca sua casa durante a crise e que todos tenham acesso a água potável, eletricidade, calor e ar condicionado.

Precisamos construir abrigos de emergência para desabrigados, para garantir que os desabrigados, os sobreviventes da violência doméstica e os estudantes universitários em quarentena fora do campus possam receber o abrigo, a assistência médica e a nutrição necessária.

Precisamos fornecer empréstimos de emergência para pequenas e médias empresas para cobrir a folha de pagamento, novas construções de instalações de fabricação e produção de suprimentos de emergência, como máscaras e ventiladores.

Aqui está a linha de fundo. Quando estamos lidando com essa crise, precisamos ouvir os cientistas, os pesquisadores, os médicos, e não os políticos.

Precisamos de uma resposta de emergência a esta crise e precisamos dela agora.

Precisamos de mais médicos e enfermeiros em áreas carentes.

Precisamos garantir que os trabalhadores que perdem seus empregos nesta crise recebam a assistência de desemprego de que precisam.

E, neste momento, precisamos garantir que, no futuro, após a crise, construamos um sistema de assistência médica que garanta que todas as pessoas neste país tenham a garantia da assistência médica necessária.