Assassinos de Marielle Franco e Anderson irão a júri popular

Compartilhe agora

alerj Marielle
Os dois ex-PMs Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz, que executaram o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista Anderson Gomes, irão a júri popular. A decisão foi tomada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro nesta terça-feira (10).

Os dois ex-policiais são réus por duplo homicídio e também responderão pela tentativa de homicídio contra a assessora de Marielle que estava no carro, Fernanda Gonçalves Chaves. O crime aconteceu há quase dois anos, no dia 14 de março de 2018, no bairro do Estácio, região central do Rio de Janeiro. Ainda não há esclarecimentos finais sobre o mandante do crime.

Os dois estão presos no presídio de Porto Velho, em Rondônia, desde maio de 2019. Eles também passaram por Bangu 1, no Rio, e pela penitenciária federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. No decorrer do processo, a Polícia Civil do Rio de Janeiro, que investiga o caso, chegou a oferecer delação premiada para os dois acusados a fim de obter mais informações sobre o caso, mas ambos negaram – assim como negam o envolvimento no crime até hoje.

LEIA TAMBÉM:

Lula pergunta a Bolsonaro: ‘Quem matou Marielle Franco?’

Casa Marielle é inaugurada no Rio, espaço resgata luta da ativista

Reinaldo Azevedo prevê duelo entre impeachment x golpe

Em resposta ao portal G1, o advogado de Élcio de Queiroz afirmou que está avaliando a decisão e que irá recorrer. Até o momento, não houve pronunciamento da defesa de Ronnie Lessa.