TSE boliviano inabilita candidatura de Evo Morales ao Senado

Compartilhe agora

O Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) da Bolívia decidiu nesta quinta-feira (20) inabilitar a candidatura do ex-presidente Evo Morales ao Senado do país nas eleições de 3 de maio.

Segundo o TSE, a decisão foi tomada porque o Morales não cumpre “o requisito de residência permanente” na Bolívia. Após sofrer um golpe em novembro do ano passado, o ex-presidente boliviano foi para o exílio, primeiro no México e depois na Argentina.

Pelo Twitter, Morales comentou a decisão da corte eleitoral.

“A decisão do Tribunal Supremo Eleitoral é um golpe contra a democracia. Os membros da @TSEBolivia sabem que eu cumpro todos os requisitos para ser candidato (senador por Cochabamba). O objetivo final é a proscrição do MAS (Movimento ao Socialismo)”, escreveu o ex-presidente na rede social.

LEIA TAMBÉM:
Requião: ‘procuradores do MPF têm mesma base genética de deputados’; assista ao vídeo

Perito independente diz que não há sinais de tortura no corpo de Adriano Nóbrega

China tem mais de 2.200 mortes por coronavírus

Pelo mesmo motivo, o tribunal também inabilitou a candidatura ao Senado de Diego Pary, ex-ministro das Relações Exteriores de Morales.

O TSE decidiu, no entanto, endossar a candidatura à presidência da Bolívia do ex-ministro da Economia Luis Arce, representante do MAS.

Arce, lidera as pesquisas de intenção de voto com 31,6%. Ele aparece 14,5 pontos percentuais à frente de Carlos Mesa, que obteve 17,1% de apoio na pesquisa. A presidente interina Jeanine Áñez, por sua vez, tem 16,5%.

Com informações da Telesur.