Sobe para 88 o número de assassinatos durante motim de PMs no Ceará

No quinto dia de paralisação de policiais militares no Ceará, já soma 88 o número de assassinatos no estado. A informação é do governo de Camilo Santana (PT), que está sob cerco de PMs amotinados desde a terça-feira (18).

Os 88 homicídios contabilizados em apenas três dias deste mês já equivalem a 53% do total registrado em fevereiro de 2019, quando ocorreram 1.364 mortes no estado.

Homens encapuzados tomaram ao menos sete batalhões na Grande Fortaleza e no interior do estado. Essas unidades seguem fechados e com policiais amotinadas.

Na quarta (19), no município de Sobral, o senador Cid Gomes (PDT-CE) foi baleado em um protesto quando tentava romper com uma retroescavadeira a barreira formada de policiais amotinados. Ele levou dois tiros no peito.

LEIA TAMBÉM
Ceará: Solidariedade expulsa vereador acusado de liderar motim

Após deixar UTI, Cid Gomes é transferido para Fortaleza

“A jornalista da Folha queria um furo, o Cid Gomes conseguiu dois”, diz deputado Sargento Fahur

Bolsonaro diz que ‘bicho vai pegar’ com Forças Armadas no Ceará

Deste a tarde de ontem (21), tropas do Exército começam a patrulhar nas ruas do Ceará com o intuito de diminuir a violência.

Segundo a Secretaria da Segurança do Ceará (SSPDS), 167 policiais militares que participam da paralisação já foram afastados e esse número ainda pode aumentar. O governo se nega a anistiar os amotinados.

Por lei, policiais militares são proibidos de fazer greve.

Os PMs reivindicam melhoria salarial. Governo e policiais haviam fechado um acordo, antes da greve, mas um grupo dissidente ligado ao bolsonarismo resolveu radicalizar os protestos ocupando os batalhões e cessando a prestação de serviços à população, bem como obrigando o comércio cerrar as portas em apoio à paralisação.

O líder o movimento, vereador Sargento Ailton, foi expulso do partido Solidariedade.

Assista ao vídeo: