Site do PCdoB, o “Comuns”, elimina a foice e o martelo com vista à eleição de 2020

Manu e Flávio Dino, dois expoentes do “Comuns” –nova nomenclatura do PCdoB.

“Adeus, Lênin”, escreveu no começo de janeiro o jornalista Ricardo Cappelli, o “Steve Bannon” das esquerdas, ao anunciar o fim da foice e o martelo como símbolos do PCdoB.

Dito e feito.

O centenário Partido Comunista do Brasil deixou para a história os signos que identifica a aliança do operário urbano, o martelo, com o trabalhador do campo, a foice.

Nesta semana, a agremiação lançou o novo site do “Comuns“, sua nova nomenclatura, em que aponta seus valores:

  • Inovação
  • Direitos Humanos
  • Democracia
  • Resistência
  • Meio Ambiente

Por ora, o antigo PCdoB –agora “Comuns”– deixa de lado a “revolução socialista” porque tem uma eleição para disputar já em 2020.

O “Comuns”, bem como seu site, será lançado oficialmente no próximo dia 13 de fevereiro em São Paulo.

Dentre as lideranças esperadas estão a jornalista e escritora Manuela D’avilla e o governador do Maranhão Flávio Dino. Ambos candidatíssimo às próximas eleições de 2020 e 2022, respectivamente.

Dino sonha com a Presidência da República e “Manu” almeja a Prefeitura de Porto Alegre. Ela lidera as pesquisas de intenção de votos.

A nova tática do antigo PCdoB visa angariar candidatos às eleições vindouras, haja vista o fim das coligações proporcionais, e obter musculatura para que escapar da cláusula de barreira.

Nas eleições de 2022, só terão acesso ao fundo e ao tempo de TV a partir de 2027 aqueles partidos que receberem 2% dos votos válidos obtidos nacionalmente para deputado federal em 1/3 das unidades da federação, sendo um mínimo de 1% em cada uma delas; ou tiverem elegido pelo menos 11 deputados federais distribuídos em 9 unidades.

LEIA TAMBÉM
PCdoB adota ‘nome fantasia’ e recolhe foice e martelo em 2020

Movimento 65, nome fantasia do PCdoB, aposta em sangue novo na eleição 2020

Revisionismo vence no PCdoB, que começa a esconder foice e martelo