PSOL denuncia Bolsonaro à ONU por abandono do combate à violência contra mulher

Compartilhe agora

A bancada feminina do PSOL na Câmara dos Deputados, composta por Áurea Carolina, Fernanda Melchionna, Luiza Erundina, Sâmia Bomfim e Talíria Petrone, encaminhou nesta quinta-feira (6) uma denúncia sobre o presidente Jair Bolsonaro à Relatoria Especial da ONU para Violência contra às Mulheres.

O principal programa do governo federal de combate à violência contra a mulher ficou sem um único centavo no ano passado. A “Casa da Mulher Brasileira”, quando foi lançada em 2015, tinha como objetivo inicial construir ao menos uma unidade de atendimento integrado por Estado para mulheres que sofrem com agressões físicas e psicológicas.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaro e Damares abandonam programa de combate à violência contra as mulheres

Justiça rejeita denúncia contra Glenn Greenwald

Glenn comenta rejeição da denuncia: “Não é suficiente”; assista

Em entrevista da saída do Palácio da Alvorada na última quarta (5), Jair Bolsonaro tentou se justificar ao dizer que “não é dinheiro e recurso apenas. É postura, mudança de comportamento que temos que ter no Brasil. É conscientização”. Basicamente, assumiu que não pretende se comprometer com recursos efetivos para o combate à violência de gênero.

Entre 2015 e 2019, o orçamento da Secretaria da Mulher, órgão do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, foi reduzido de R$ 119 milhões para R$ 5,3 milhões. No mesmo período, os pagamentos para atendimento às mulheres em situação de violência recuaram de R$ 34,7 milhões para apenas R$ 194,7 mil.

No Brasil, uma mulher é agredida a cada quatro minutos, segundo dados do Ministério da Saúde. Os índices de feminicídio também vêm em uma crescente nos últimos anos.

As informações são do PSOL.