PSOL defende mobilização contra o golpismo de Bolsonaro

Compartilhe agora


O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) divulgou nota nesta manhã de quarta-feira (26) em repúdio a participação direta do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na convocação de atos para o dia 15 de março em defesa do fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo o partido, “ao envolver-se diretamente na convocação de manifestações pelo fechamento do Congresso Nacional, Bolsonaro comete crime de responsabilidade e crime de improbidade. É preciso uma resposta dura. O silêncio dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal precisa ser rompido urgentemente. Medidas podem e devem ser tomadas no âmbito do STF”.

Leia a íntegra da nota do PSOL:

O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) repudia veemente a participação do Presidente da República, Jair Bolsonaro, na convocação de manifestações de caráter golpista que pedem o fechamento do Congresso Nacional. Essa atitude se soma a outras que marcam o caráter antidemocrático do projeto bolsonarista – disseminação de preconceito e intolerância, ameaças à oposição, louvação de regimes autoritários – mas representa um passo a mais na escalada autoritária da extrema-direita: o envolvimento direto de Bolsonaro na convocação dessas manifestações marca um sentido de ruptura democrática, o que é inaceitável.

LEIA TAMBÉM:

Frota anuncia que vai entrar com pedido de impeachment de Bolsonaro

Lula: É urgente que o Congresso e a sociedade se posicionem em defesa da Democracia

Hashtags a favor e contra o golpe de Bolsonaro duelam no Twitter nesta quarta-feira de cinzas

Ao envolver-se diretamente na convocação de manifestações pelo fechamento do Congresso Nacional, Bolsonaro comete crime de responsabilidade e crime de improbidade. É preciso uma resposta dura. O silêncio dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal precisa ser rompido urgentemente. Medidas podem e devem ser tomadas no âmbito do STF.

O PSOL convoca toda a sua militância e simpatizantes para as mobilizações do mês de março (8 de março, Dia Internacional de Luta das Mulheres; 14 de março, dois anos do assassinato de Marielle; 18 de março, Greve Nacional da Educação) e se somará às mobilizações convocadas pelos movimentos sociais através da Frente Povo Sem Medo para deter imediatamente a escalada autoritária de Bolsonaro. A conivência das instituições permitiu que se chegasse a tal situação. Portanto, é nas ruas que se pode derrotar a extrema-direita. A hora é de mobilização contra o golpismo e Bolsonaro!

Executiva Nacional do PSOL
26 de fevereiro de 2020