Presidente Bolsonaro e suas fake news são mais perigosos que o coronavírus

Compartilhe agora
O coronavírus é refresco para quem já tem Bolsonaro e Moro, reagem as redes sociais às ameaças antidemocráticas.

A frente política chegou à uma conclusão neste início de ano, pós-carnaval: o presidente Jair Bolsonaro e suas fake news são mais perigosos que o coronavírus, esse intruso que resolveu “pré-datar” a chegada no Brasil.

A associação de Bolsonaro ao coronavírus foi natural que ontem (27) as redes sociais levantaram a hashtag #CoronaBozo, qual seja, a percepção é de que o presidente é tão nefasto à população quanto a epidemia recém-chegada além-mar.

A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PT), disse que o caso de Bolsonaro com a mentira é patológico, mente sobre fatos e espalha Fake News.

“A última do mitômano reforça o alerta para o perigo que representa. Estamos vigilantes e não poderemos deixar que a democracia siga ameaçada”, afirmou a dirigente petista ao referir-se ao vídeo disseminado pelo presidente, que depois negou jurando ser um arquivo de 2015.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro nomeia compadre para comandar a Secretaria de Esporte

Bolsonaro participará da posse do novo presidente do Uruguai no domingo

Regina Duarte rompe com a Globo e deve ‘casar’ com Bolsonaro dia 4

Mas há divergência. O jornalista americano Glenn Greenwald, fundador do The Intercept Brasil, que o ministro da Justiça, Sérgio Moro — não Bolsonaro — é a ameaça mais perigosa e autoritária à democracia brasileira.

“A mídia está disposta a condenar Bolsonaro, mas não Moro, porque foi ela que criou o mito e a imagem falsa do Moro”, escreveu no Twitter o jornalista acerca do ex-juiz da Lava Jato.

Pensando bem, para unificar o campo democrático, Moro, Bolsonaro e mídia são farinha do mesmo saco. Antes de tudo, eles são uma ameaça à civilização brasileira porque estão destruindo os pilares de uma nação soberana –fundamentais para a verdadeira democracia e independência do País.