Por muito menos, mídia defendeu o impeachment de Collor e Dilma #ImpeachmentDeBolsonaro

Compartilhe agora

Se a velha mídia tiver vergonha da na cara –e defender as mulheres que trabalham em seus veículos de comunicação–, Bolsonaro cai.

Por muito menos, Collor de Mello foi derrubado em 1992.

Para nunca esquecer a História recente, Folha, Estadão, Veja, Globo, etc., tiveram coragem na época de gritar Fora Collor, impeachment já.

Dilma Rousseff, em 2016, por meio de um golpe de Estado, fora destituída do cargo sob o falso pretexto de pedaladas fiscais.

A mídia alimenta o fascismo desde 2013 com as jornadas de junho. Agora corre o risco de ser devorada por ele.

Desta vez, terá a velha mídia a altivez para exigir o impeachment de Jair Bolsonaro?

Aguardemos o próximo capítulo dessa novela neoliberal.

LEIA TAMBÉM
Miriam Leitão, na Globo, pede o impeachment de Bolsonaro; assista ao vídeo

PSOL, PT e Rede pedem cassação de Flávio Bolsonaro no Senado

#ImpeachmentDeBolsonaro sobe aos ‘trending topics’ do Twitter

Ataque a Patrícia Campos Mello é “cortina de fumaça” para caso Adriano, diz jornalista do Estadão