Humberto Costa

Oposição acionará PGR contra Hans River por falso testemunho na CPMI das Fake News

Publicado em 12 fevereiro, 2020
Compartilhe agora!

Humberto Costa
Senador Humberto Costa (PT-PE).
O senador Humberto Costa (PT-PE) anunciou nesta quarta-feira (12) que as bancadas do PT na Câmara e no Senado ingressarão com uma Notícia Crime junto à Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Hans River do Rio Nascimento por falso testemunho em depoimento prestado à CPMI das Fake News na última terça-feira (11).

Ex-funcionário da empresa Yacows, Hans River afirmou ter trabalhado durante o período eleitoral de 2018 com a disseminação em massa de conteúdos nas redes sociais utilizando, inclusive, CPFs de pessoas idosas para cadastramento de chips de telefonia celular.

LEIA TAMBÉM:
Eletrobras inicia demissões para cumprir meta de redução de pessoal

Bate-boca na Câmara com Moro e Glauber Braga; assista

Lula é homenageado pela prefeitura de Roma

Durante seu depoimento, Hans voltou atrás em informações dadas anteriormente em entrevista concedida à Folha de S. Paulo e chegou a dizer que a jornalista Patrícia Campos Melo havia conseguido as informações sem seu consentimento.

“Ele [Hans] agrediu reputações de pessoas que não estavam aqui e sequer podiam se defender. No momento adequado o depoente deve retornar à CPI, quando estivermos de posse da comprovação [de que mentiu], ou não, nas informações que deu”, disse o senador.

A relatora da CPMI, deputada Lídice da Mata (PSB-BA), solicitou ao presidente do colegiado, senador Ângelo Coronel (PSD-BA), a votação de requerimento solicitando a representação do depoente junto ao Ministério Público Federal (MPF) por falso testemunho.

“Ontem após nossa oitiva houve uma manifestação oficial da jornalista que foi, aqui, atacada e contestou as acusações feitas pelo depoente. Isso constitui, no mínimo, uma possibilidade de falso testemunho”, disse a deputada.

O senador Ângelo Coronel informou que a jornalista foi convidada para depor na CPI já na próxima terça-feira (18).

Reportagem de Patrícia Campos Melo publicada em 2 de dezembro do ano passado revelou que empresas de envio de mensagens em massa pelo WhatsApp, dentre elas a Yacows, recorreram ao uso fraudulento de nome e CPF de idosos para registrar chips de celular.

Ele afirmou para a jornalista da Folha de S. Paulo que as empresas usaram nomes de CPFs e datas de nascimento de pessoas na faixa dos 65 a 86 anos, nascidas entre 1932 a 1953, e que ignoravam o uso de seus dados para cadastrar chips de celulares.

A matéria ressalta que, no último dia 25 de novembro, Hans River voltou atrás e pediu para a Folha retirar seus depoimentos das publicações. A solicitação foi feita, após fazer um acordo com a antiga empregadora, registrado no processo. “Pensei melhor, estou pedindo pra você retirar tudo que falei até agora, não contem mais comigo” disse em mensagem de texto para o jornal.

Após a ampla repercussão do ataque de Hans River contra a jornalista da Folha de S. Paulo nas páginas de extrema-direita e a repercussão entre os parlamentares bolsonaristas, o líder do PT no Senado, senador Rogério Carvalho (SE), afirmou que a CPMI se tornou alvo dos mesmos ataques aos quais o colegiado se propôs a investigar.

“É inaceitável a atuação criminosa das milícias virtuais. Tentam por meio de Fake News intimidar o poder de investigação do parlamento. Esse país não é terra sem leis”, criticou o senador.

Conselho de Ética
O senador Humberto Costa também afirmou que o deputado Filipe Barros (PSL-PR) será denunciado junto ao Conselho de Ética por conta de informações divulgadas pelo UOL de que ele aparece como administrador de grupos de Whatsapp responsáveis por compartilhamento de notícias falsas e ataques coordenados contra parlamentares e membros do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Isso é algo completamente incompatível com o decoro parlamentar. Por isso, estamos entrando com uma representação junto ao Conselho de Ética contra, pelo menos, o parlamentar [Filipe Barros] que faz parte desta CPI e é um dos administradores desse grupo”, explicou.

A matéria também cita o deputado Coronel Tadeu (PSL-SP) como administrador de grupos também responsáveis pela disseminação desse conteúdo. Tadeu participou do colegiado até o final do ano passado.

Solidariedade à jornalista agredida
O senador Jaques Wagner (PT-BA) também manifestou apoio à jornalista da Folha de São Paulo. “Meu apoio e solidariedade à jornalista Patrícia Campos Mello, alvo de acusações mentirosas na CPI das Fake News, na terça -feira dia 11. Todo o trabalho jornalistico deve ser respeitado pois é garantido pela Constituição”, disse o senador.

“Sei o quanto é difícil a cobertura de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI). Já estive no front da cobertura política e investigativa de uma cpi. Sei o quanto é necessário esforço coletivo para garantir a liberdade de imprensa e as condições de trabalho do jornalista que atua na busca de fatos e que também acaba por dever de ofício fazendo investigações”, afirmou o senador.

As informações são do PT no Senado.

Compartilhe agora!