Moro tem proteção da mídia tradicional para blindar família Bolsonaro, diz Glauber

Publicado em 13 fevereiro, 2020
Compartilhe agora!

O deputado federal Glauber Braga (Psol-RJ) reafirmou nesta quinta-feira (13) que o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, tem atuado como “capanga da milícia“, agindo para proteger o presidente Jair Bolsonaro e sua família em casas de suspeita de crime e corrupção. Em entrevista para o Jornal Brasil Atual, nesta quinta-feira (13), ele foi além. O deputado afirmou que o ministro é também um dos líderes da “extrema-direita” e atua para “preservar” fascistas e milicianos que orbitam o atual governo.

Enquanto Moro “blinda” a família Bolsonaro, a mídia tradicional oferece “proteção editorial” ao ministro, disse o deputado aos jornalistas Marilu Cabañas e Glauco Faria,

“Existe um processo de proteção editorial por boa parte da grande mídia à figura de Moro. Isso não é novidade. Muitas vezes batem em Bolsonaro, mas preservam Moro, como se fossem completamente diferentes, e não são. Moro é um líder de extrema-direita que dá sustentação para a ampliação do estado penal-policial-punitivo, para inclusive preservar milicianos e fascistas. Moro é um fascista. É isso que ele também é”, acusou.

LEIA TAMBÉM:
Marcelo Freixo responde a Sérgio Moro sobre enfrentamento às milícias; assista

Lula sobre fala de Guedes: “Essa gente não suporta nem a ascensão social dos mais pobres”

Bolsonaro diz que Sérgio Camargo assumirá a presidência da Fundação Cultural Palmares

Ele havia chamado Moro de “capanga da milícia” durante audiência pública na comissão especial que analisa a volta da prisão após condenação em segunda instância (PEC 199/19), na Câmara Federal, nesta quarta-feira (12). Segundo o deputado, o termo utilizado serviu para explicitar as contradições entre o discurso e a prática adotada pelo ministro.

“Ele sempre diz que as questões relacionadas ao caso Flávio Bolsonaro não são da alçada dele. Só que, há alguns dias, a Polícia Federal (PF) saiu com um relatório isentando-o de qualquer responsabilidade. Ele diz que não tem nada a ver com as ações no Rio (sobre as investigações do caso Marielle), mas a primeira coisa foi meter a PF contra o porteiro do condomínio do presidente”, afirmou o parlamentar

Milícia virtual
Glauber conta que, após o embate com o ministro, foi atacado pela “milícia virtual” que atuam nas redes sociais para defender a imagem de Moro, do presidente e de seus familiares. “Sabemos como eles trabalham com essas milícias digitais e robôs, mas não vão nos fazer retroceder. A gente também tem uma militância muito aguerrida, que partiu para cima dos milicianos de Bolsonaro e Moro. Esses ataques não fez com que a turma arredasse pé.”

Adriano da Nóbrega
O deputado também cobrou mais “controle social” sobre as investigações em relação à morte do miliciano Adriano da Nóbrega, ocorrida no último domingo, durante operação policial na Bahia.

Segundo Glauber, não é possível afirmar nem duvidar da hipótese de “queima de arquivo“. Mas alerta que, se depender das instituições controladas por Moro e pela família Bolsonaro, as investigações não serão conduzidas seriamente, não sendo possível colher informações que ajudem a desvendar a participação do miliciano em crimes como a morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, ou ainda o caso das “rachadinhas” envolvendo Flávio Bolsonaro e o ex-assessor Fabrício Queiroz.

Por RBA

Compartilhe agora!