Minas Gerais: Professores da rede estadual entram em greve por tempo indeterminado

Compartilhe agora


Os professores da rede estadual de ensino de Minas Gerais iniciaram uma greve por tempo indeterminado a partir desta terça-feira (11). A categoria reivindica pagamento do piso dos professores, do 13º salário que não foi pago integralmente em dezembro e contra o desmonte da Educação praticado pelo governo Romeu Zema (Novo).

A pauta apresentada pelo Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas gerais (Sind-UTE/MG) reivindica:

– Pagamento do Piso Salarial Profissional Nacional, direito respaldado pela Lei Estadual 21.710/2015 e pela Lei Federal 11.738/2008;
– Repasse de 25% da receita corrente líquida do Estado para a Educação;
– Quitação do 13º salário de 2019;
– Fim de políticas que dificultam o acesso à Educação, como o caos no sistema de pré-matrículas online, Plano de Atendimento, fusão de turmas, demora na publicação das remoções e designações.

Em nota divulgada à imprensa, a Secretaria de Estado de Educação (SSE) disse que acompanha o caso e que tem mantido o diálogo com os professores. “A SEE/MG respeita o direito constitucional de greve dos servidores da Educação do Estado e reitera que tem mantido um diálogo franco e aberto com representantes sindicais”, diz trecho da nota.

LEIA TAMBÉM:

Tempos obscuros: Governo Doria também censura livros

PT reforça ação no STF para sustar privatizações da Petrobras

Mais de 100 unidades do Sistema Petrobras já aderiram à greve dos petroleiros

Na próxima sexta-feira (14), os educadores mineiros farão uma assembleia estadual para debater os próximos passos do movimento.

*As informações são do Sind-UTE/MG