haddad c

Haddad: Weintraub é um ‘morto vivo’ no MEC

O ex-ministro Fernando Haddad (PT) escreve neste sábado (1º) que o atual titular do MEC (Ministério da Educação), Abraham Weintraub, é ‘morto vivo’ que não dá conta da responsabilidade que tem.

“Um homem sem visão, sem projeto, sem interlocutores, sem referências”, definiu Haddad, para então para fechar o caixão ao dizer que Weintraub é “um nada.”

Para Haddad, o fato de o MEC ser ocupado por um desqualificado –cuja toxicidade atingiu o Enem (Exame Nacional de Ensino Médio)– causa “constrangimento” e “desalento” ao País.

Na prática, sem explicitá-lo, Fernando Haddad pediu o impeachment de Abraham Weintraub para salvar o MEC e a educação pública brasileira.

Leia a íntegra do artigo:

MEC

Atual ministro não parece se dar conta da responsabilidade que tem sobre os ombros

O Ministério da Educação está em frangalhos. Um testemunho político de quem esteve por sete anos à frente da pasta talvez possa ser útil ao interesse público.

Antes de mim, o ministro Paulo Renato, do PSDB, havia ocupado o cargo de ministro da Educação pelos oito anos do governo FHC. Nossas divergências se tornaram conhecidas no debate público ao expressarmos, sempre respeitosamente, as nossas opiniões. Sobretudo quanto à educação superior e à educação profissional, as diferenças de ponto de vista eram bastante visíveis.

Entretanto, quanto à educação básica, apesar dos diferentes enfoques pedagógicos, eu fazia questão de reconhecer suas contribuições para o desenvolvimento da educação. Refiro-me, especificamente, ao antigo Fundef e ao Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica), mas poderia citar outras ações de menor alcance.

LEIA TAMBÉM
Para se livrar de Moro em 2022, Bolsonaro quer nomeá-lo já no STF

Donald Trump escapa do impeachment no Senado dos EUA

Regina Duarte convida Carlos Vereza para compor equipe da Cultura

Com mais certeza hoje, prefiro o Fundeb (que abrange toda educação básica) ao Fundef (restrito ao ensino fundamental) e o IDEB (por escola) ao Saeb (amostral), mas não seria intelectualmente honesto da minha parte desconhecer que aquilo que eu considero avanço só foi possível, nesses dois casos, pelos passos dados previamente pelo meu antecessor.

O próprio Paulo Renato também viria a reconhecer e apoiar o acerto das nossas iniciativas. Apenas a reforma do Enem, que promovi em 2009, continuou sendo alvo de crítica dos tucanos. Em entrevista ao Estadão (15/4/2009), Paulo Renato afirmou: “O Enem é uma conquista; acho que ele vai acabar; vão manter a grife, mas vão mudar o conteúdo?”.

Minha obsessão, contudo, era outra: acabar com o vestibular e promover uma revolução no acesso à universidade com o apoio do corpo técnico do Inep, um dos melhores da República —hoje desprestigiado.

Conto essas histórias para dizer que, apesar de pertencermos a partidos adversários, comungávamos um valor comum: educação é política de Estado, não de governo.

Disputávamos ideais, sempre colocando o interesse público acima das divergências que procurávamos superar. Passamos a nos respeitar e promovemos uma interlocução que, mediante contínua negociação, me permitiu aprovar ao longo daqueles longos anos vários projetos de interesse do MEC com suporte da oposição.

Sei que é caso raro na política. Mas o que está hoje acontecendo no MEC é algo que deveria inquietar a todos.

Mesmo para os muitos que têm Bolsonaro em baixíssima conta, a situação causa constrangimento e desalento.

O atual ministro não parece se dar conta da responsabilidade que tem sobre os ombros. Um homem sem visão, sem projeto, sem interlocutores, sem referências.

Um nada.

*Fernando Haddad é advogado e político brasileiro, filiado ao Partido dos Trabalhadores. Foi ministro da Educação de 2005 a 2012, nos governos Lula e Dilma Rousseff, e prefeito da cidade de São Paulo de 2013 a 2016. Artigo originalmente publicado na Folha de S. Paulo.