Daniela Mercury critica censura na Ancine durante Carnaval de Salvador

Compartilhe agora


A cantora Daniela Mercury, durante a passagem do bloco Crocodilo, na Barra, em Salvador, chamou a atenção do público para os cartazes de filmes exibidos nos painéis do trio elétrico. Ela declarou que os cartazes são dos filmes que sofrem censura na Agência Nacional de Cinema (Ancine) desde o ano passado.

Com o trio parado em frente ao Farol da Barra, foram exibidos cartazes de obras como “Bacurau”, “O Animal Cordial” e “Democracia em Vertigem”, além de capas de livros como “Pedagogia do Oprimido”, de Paulo Freire, “Bufo & Spallanzani”, de Rubem Fonseca, e “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis.

“Nós somos a resistência. Não podemos nos calar diante do que está acontecendo. Por isso mesmo, peço a vocês que observem que estamos estampando os cartazes de diversos filmes que foram censurados pela Ancine”, afirmou Daniela, antes de cantar “Rainha da Balbúrdia” e seguir com o trio na Barra.

LEIA TAMBÉM:

Marcelo Adnet, da São Clemente, e o conto do vigário por meio das fake news

Em dezembro, a Ancine retirou cartazes de filmes de sua sede e dados sobre longas do site. Além de filmes novos, alguns clássicos também foram removidos, como “Deus e o Diabo na Terra do Sol” (1964), de Glauber Rocha, “O Bandido da Luz Vermelha” (1968), de Rogério Sganzerla, e “Cabra Marcado para Morrer” (1984), de Eduardo Coutinho.

*Da Folha de São Paulo