Comissão de Direitos Humanos da Câmara repudia ameaça à democracia

Compartilhe agora

O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, deputado Helder Salomão (PT-ES), publicou uma nota em repúdio às ameaças contra a democracia e os poderes Legislativo e Judiciário apoiadas pelo presidente Bolsonaro.

Segundo ele, “a tentativa de Bolsonaro de conclamar a população a se voltar contra um Poder que encarna a vontade popular é mais um vilipêndio à cidadania praticado por um Chefe de Estado que vive de arroubos despóticos.”

LEIA TAMBÉM
PF suspeita de documentos adulterados em arquivos da Odebrecht para prejudicar Lula

Sérgio Moro já faz “test drive” para um novo golpe

Partidos de esquerda e movimentos sociais unificam agenda contra o golpe de Bolsonaro

Leia a íntegra da Nota:

NOTA DO PRESIDENTE

A separação de poderes de inspiração montesquiana, adaptada com a teoria de freios e contrapesos, minimiza o risco de autoritarismo. Além disso, contemporaneamente, possibilitou o desenvolvimento de democracias representativas.

Nossa história o comprova: o fechamento do Congresso Nacional ocorreu em períodos ditatoriais.

Conforme reportou o jornalista Jamil Chade, Damares Alves, em Genebra, não tinha comentários a fazer sobre o ato que Bolsonaro apoia contra o Poder Legislativo. A assessoria da Ministra insistia: “Qual a relação disso com direitos humanos?”.

A relação é completa. Os direitos políticos, que incluem o direito de eleger legisladores, são direitos humanos. E é na estrutura de Estado com poderes limitados que direitos civis podem ser minimamente garantidos e que grupos vulneráveis se encontram, ao menos em tese, protegidos de decisões arbitrárias.

Nosso sistema de Estado e de governo tem problemas e distorções – todos os países convivem com defeitos, em maior ou menor grau. Ele deve, porém, ser aperfeiçoado, e não destruído.

A Constituição brasileira já prevê mecanismos suficientes de limitação recíproca de poder. Dentre esses freios e contrapesos, a previsão de impeachment do Presidente da República que atentar contra a existência dos outros Poderes da União (art. 85, inciso II).

A tentativa de Bolsonaro de conclamar a população a se voltar contra um Poder que encarna a vontade popular é mais um vilipêndio à cidadania praticado por um Chefe de Estado que vive de arroubos despóticos.

O Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal e as entidades da sociedade devem atuar com firmeza, de maneira conjunta, para barrar essas práticas autoritárias.

Brasília, 27 de fevereiro de 2020.

Helder Salomão

Presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias