Aumento do desmatamento na Amazônia é resultado da ´permissão deliberada para devastar’, diz Gleisi

Publicado em 15 fevereiro, 2020

A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), usou o Twitter neste sábado (15) para comentar sobre o relatório da ONG Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia) que revela o aumento do desmatamento (74%) e da degradação (1.382%) na Amazônia em janeiro de 2020.

“Esses números de espantar não são apenas negligência, mas permissão deliberada para devastar. Primeiro Bolsonaro suspendeu a fiscalização ambiental, depois soltou o discurso de ódio contra ONGs e defendeu desmatadores dando a senha para o liberou geral”, escreveu a dirigente petista na rede social.

LEIA TAMBÉM:
Membro da Lava Jato testemunhou a favor de “doleiro dos doleiros” em 2011

Justiça aceita denúncia contra ex-presidente da Vale e mais 15 pessoas pela tragédia de Brumadinho

A santa aliança entre o papa Francisco e Lula

O relatório da Imazon divulgado nesta sexta-feira (14) mostra que foram detectados 188 km² de desmatamento na Amazônia Legal em janeiro deste ano, o que representa um aumento de 74% em relação ao mesmo mês de 2019 – quando o desmatamento medido foi de 108 km².

Além do maior desmatamento, a degradação ambiental também teve alta, ainda maior: saltou de 11 km², em janeiro de 2019, para 163 km², no último mês – crescimento de 1.382%.

A medição da ONG é feita com base em informações de três satélites: Sentinel-1, Sentinel-2 e Landsat-8. Os dados corroboram análise do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), que também apontou um desmatamento recorde em janeiro.