Bolsonaro_fake_book

Apoio a Bolsonaro começa a desmilinguir nas redes sociais, diz estudo

Compartilhe agora

As redes sociais e não perdoaram Bolsonaro: Oscar ao filme “Parasita” inspirou memes contra o governo.
A empresa AP Exata monitorou a imagem do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e constatou que houve uma piora em seu desempenho nas redes sociais durante o mês de janeiro de 2020.

Os comentários negativos sobre o governo no mês passado se aproximaram dos favoráveis no Twitter. Foram 14 dias de menções majoritariamente críticas ante 16 dias em que os apoios dominaram as redes. Em um dia, as publicações favoráveis e contrárias ficaram no mesmo nível.

Em janeiro deste ano, o Blog do Esmael registrou que grupos pró-Bolsonaro murcharam nas redes sociais.

A AP Exata também diagnosticou no início de fevereiro que o mau humor em relação ao governo deve seguir avançando nas redes sociais. Até domingo, foram seis dias negativos, dois neutros e um positivo.

“Bolsonaro está perdendo o controle narrativo nas redes. Em janeiro de 2019, ele não tinha esse domínio por causa da polarização eleitoral e da revelação do caso (Fabrício) Queiroz (ex-assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro suspeito de prática de rachadinha). Depois, ele conseguiu impor suas narrativas e estabilizou, mas agora começa a perder essa capacidade novamente”, explicou o diretor da AP Exata, Sergio Denicoli.

LEIA TAMBÉM
Apagão no INSS: 108 mil mulheres têm o salário maternidade atrasado

Bolsonaro quer privatizar creches com dinheiro do Fundeb

Chuvas, caos em SP e críticas ao prefeito Covas e a Doria motivam memes nas redes

De acordo com o estudo da AP Exata, a narrativa de Bolsonaro prevaleceu no ano de 2019. As menções em favor ao presidente em 2019 foram majoritárias em 246 dias. Já os comentários críticos prevaleceram em 79 dias. Os neutros, em 39 dias.

Porém, o eleitorado de Bolsonaro não demonstra neste ano de 2020 a mesma disposição para fazer a defesa do presidente da República.

“O silêncio prejudica Bolsonaro. Para ele, é importante que as pessoas se manifestem a favor dele, mas são posicionamentos tão fortes (feitos pelo presidente) que as pessoas começam a ficar mais receosas. É difícil manter este grau de militância durante quatro anos”, afirmou Denicoli ao Estadão.

Resumo da ópera: o apoio a Bolsonaro começa a desmilinguir nas redes sociais e na vida real, que pode impactar nas urnas este ano.