Secretário de Comunicação de Bolsonaro recebe das emissoras de TV

O Chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), Fabio Wajngarten recebe, por meio de uma empresa da qual é sócio, dinheiro de emissoras de TV e de agências de publicidade contratadas pela própria secretaria, além dos ministérios e estatais do governo Bolsonaro.

A informação foi publicada pela Folha de São Paulo nesta quarta (15). A Secom é a responsável pela distribuição da verba de propaganda do Planalto e também por ditar as regras para as contas dos demais órgãos federais. No ano passado, gastou R$ 197 milhões em campanhas.

LEIA TAMBÉM
Glenn Greenwald a Marcelo Tas: ‘eu sei o que você fez no verão passado’

Marcelo Tas ataca Glenn Greenwald no Twitter por causa do Roda Viva

ONG denuncia Bolsonaro por incentivar execuções e queimadas na Amazônia

​Wajngarten assumiu o comando da pasta em abril de 2019. Desde então, se mantém como principal sócio da FW Comunicação e Marketing, que oferece ao mercado um serviço conhecido como Controle da Concorrência. Tem 95% das cotas da empresa e sua mãe, Clara Wajngarten, outros 5%, segundo dados da Receita e da Junta Comercial de São Paulo.

Esse tipo de relação é vedada por lei e levanta uma série de suspeitas. A relação do governo Bolsonaro com as emissoras de TV, em especial SBT, Band e Record, está marcada por uma série de “toma-lá-dá-cá”, principalmente no episódio de reforma da Previdência.

Cotas de publicidade foram acertadas com as emissoras e essas fizeram “entrevistas” com Bolsonaro e outros integrantes do governo. As entrevistas, na prática, se tornaram propaganda do governo e maneiras de pressionar o Congresso pela aprovação dos projetos do governo.

Será que o presidente e o ministro da Justiça vão “passar pano” para mais essa irregularidade?

Com informações do Folha de São Paulo