PT divulga nota sobre demissão de Alvim: “Bolsonaro defende mesmas ideias”

Publicado em 17 janeiro, 2020

Em nota oficial, a direção nacional do PT afirma que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) demitiu o secretário de Cultura, Roberto Alvim, porque ficou acuado pela repercussão negativa do pronunciamento seu auxiliar no qual defendeu retórica e estética nazista.

O documento assinado pela presidenta do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), e o secretário nacional de Cultura petista, Márcio Tavares, recorda que no dia anterior, na mesma “live” em que anunciava sua pretensão de usar recursos públicos para fazer um processo de revisionismo da história brasileira, Bolsonaro afirmava seu mais inteiro apoio e afinidade com as ideias de Roberto Alvim.

“A escalada de Bolsonaro é contra os artistas, os educadores, a imprensa, contra toda forma de produção artística e intelectual livre”, denuncia o PT.

Leia a íntegra da nota oficial do PT:

Nota do PT: na democracia não há espaço para apologia ao nazismo

Bolsonaro, acuado pela repercussão negativa, demitiu seu Secretário de Cultura. Entretanto, no dia anterior, exaltava apoio e afinidade com as ideias de Roberto Alvim

É estarrecedor o vídeo em que Bolsonaro e seu secretário de Cultura, Roberto Alvim, anunciam o lançamento de edital público voltado a “rever a história do Brasil” e a “alinhar conservadorismo e arte”, assumindo a censura como ferramenta institucional. Soma-se a isso a funesta performance de Alvim ao detalhar o referido edital, de retórica e estética abertamente nazista, copiando Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Hitler.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro segue flertando com nazismo, mesmo demitindo secretário da Cultura

Deputados do PCdoB querem embargar editais nazistas da Cultura

Olavo de Carvalho deu a ‘senha’ para demissão do nazista Alvim

Bolsonaro, acuado pela repercussão negativa do caso no Brasil e no mundo, demitiu seu Secretário de Cultura. Entretanto, no dia anterior, na mesma “live” em que anunciava sua pretensão de usar recursos públicos para fazer um processo de revisionismo da história brasileira, afirmava seu mais inteiro apoio e afinidade com as ideias de Roberto Alvim.

O Brasil não pode conviver com a ameaça da volta de ideologias totalitárias. É preciso que a liberdade de expressão, a diversidade cultural e o respeito às minorias, princípios consagrados pela Constituição, sejam de fato assegurados.

A escalada de Bolsonaro é contra os artistas, os educadores, a imprensa, contra toda forma de produção artística e intelectual livre. O Partido dos Trabalhadores repudia isso e, fazendo jus à sua história, está ao lado da sociedade para garantir a democracia e os direitos civis.

São Paulo, 17 de janeiro de 2019

Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT

Márcio Tavares, secretário Nacional de Cultura do PT