Preço do feijão dispara e encarece refeição dos brasileiros


Inseparável do prato dos brasileiros, o feijão acumulou uma alta que superou o preço da carne. Segundo dados do IBGE, divulgados nesta sexta-feira (10), o feijão carioca subiu 56%, revelando a escalada da inflação nos últimos meses, apesar das negativas do governo Bolsonaro.

O feijão conseguiu superar alta do preço da carne, o vilão da inflação na era bolsonariana, que teve um aumento médio em torno de 40%.

Alimento básico e presente no dia a dia dos brasileiros, a disparada do preço do feijão impacta diretamente na cesta básica dos brasileiros e no preço das refeições consumidas fora de casa, inclusive do básico “prato feito”, o popular “PF”, comida da classe trabalhadora e da massa do precariado.

Sem a carne e, agora, sem o feijão a dieta do brasileiro fica cada vez mais pobre e reduzida.

LEIA TAMBÉM:

Prato feito, o popular ‘PF’, ficou mais caro com a disparada do preço da carne

E o salário mínimo de Bolsonaro e Guedes ficou abaixo da inflação

Bolsonaro exclui 1 milhão de famílias do Bolsa Família

Segundo o IBGE, a inflação oficial encerrou o ano de 2019 em 4,31%, acima da meta do governo, de 4,25%. Em 2018, a inflação foi de 3,75%.