OAB entra na Justiça contra cobrança de tarifa sobre cheque especial

Compartilhe agora


A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) protocolou nesta quinta-feira (9) uma ação civil pública contrária à medida adotada pelo Banco Central (BC) de cobrar tarifa do cheque especial mesmo quando não utilizada pelo correntista. A determinação do BC passou a vigorar a partir desta segunda (6).

De acordo com a OAB, há violação ao direito ao consumidor ao aplicar a cobrança da tarifa para os correntistas que não utilizarem o limite. O órgão pede ainda a devolução ou o provisionamento dos valores já cobrados. A ação foi direcionada para a Justiça Federal do Distrito Federal e pede a suspensão da cobrança.

“A edição de uma Resolução normativa que estabelece uma tarifa por serviço não prestado a todos os consumidores de serviços bancários no Brasil configura uma infração legal de alta relevância jurídica, ensejadora da atuação judicial do ora legitimado”, diz a ação.

A OAB também destaca que o limite do cheque especial é uma das tarifas que “mais oneram a vida do cidadão brasileiro”, que a cobrança é “ilegal, desequilibrada e abusiva dos consumidores” e afronta a Lei 7.347 que determina a “prevenção a danos causados aos consumidos , o interesse difuso pelo equilíbrio das relações de consumo e a vedação de infrações à ordem econômica”.

Atualmente, o cheque especial é uma das modalidades de crédito mais caras do Brasil com taxa média de 12% ao mês. Com a resolução em vigor, os juros da modalidade passam a ter um limite de 8% ao mês.

LEIA TAMBÉM:

Bolsonaro sanciona lei que cria carteira nacional de identificação do autista

Trump diz que avião ucraniano pode ter sido derrubado por engano pelo Irã

Juiz que censurou Porta dos Fundos pode ser enquadrado na lei de abuso de autoridade

No entanto, em contrapartida e atendendo a um pedido dos bancos, o BC permitiu a cobrança de uma taxa mensal de todos os clientes que têm o limite do cheque especial ativo na conta, mesmo quando não utilizado.

Para a OAB, essa medida estabelece “vantagem iníqua, abusiva e coloca o consumidor em desvantagem exagerada e incompatível com a boa-fé e equidade”. “O ganho tarifário imposto ao cheque especial para pessoas que não tomam qualquer valor emprestado configura típica situação jurídica de enriquecimento sem causa”, destaca a ação.