Morre, aos 84 anos, o ex-presidente da Câmara Ibsen Pinheiro

Publicado em 25 janeiro, 2020

Ibsen Pinheiro conduziu impeachment de Collor e era quadro histórico do MDB.
Morreu na noite desta sexta-feira (24) o jornalista, advogado e político Ibsen Pinheiro, aos 84 anos. Ele sofreu uma parada cardiorrespiratória enquanto passava por tratamento de saúde no Hospital Dom Vicente Scherer, em Porto Alegre.

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), decretou luto oficial por três dias. “Recebi com tristeza a notícia do falecimento do deputado Ibsen Pinheiro. Ibsen foi homem público incansável na luta por um país melhor. Sua trajetória política, marcada pelo diálogo e pelo respeito, deixa grande legado ao Brasil.”

LEIA TAMBÉM:
Cartas que Lula recebeu na prisão vão virar filme

Site faz enquete sobre ‘frente ampla’ de Flávio Dino

No Rio, artistas e movimentos em defesa do histórico Teatro Casa Grande

Ibsen nasceu em São Borja (RS), em 5 de julho de 1935. Ele começou na política em 1976, ao se eleger vereador por Porto Alegre. Em seguida, conseguiu mandato de deputado estadual em 1978. Era um político histórico nos quadros do MDB/PMDB. Presidente do MDB gaúcho por dois mandatos (2010 a 2012 e 2015 a 2017), Ibsen foi vereador, deputado estadual, deputado federal e presidiu a Câmara dos Deputados. Por duas vezes, exerceu o cargo de presidente da República e teve papel decisivo na elaboração da Constituição Brasileira.

Em 1986 foi eleito deputado constituinte e, de fevereiro de 1991 a fevereiro de 1992, foi o presidente da Câmara Federal, tendo conduzido o processo de impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello. No procedimento contra Dilma Rousseff (PT), votou contra a cassação por não ver configurado com clareza o crime de responsabilidade.

Teve mandato cassado em 1994 no episódio batizado de Anões do Orçamento, divulgado pela revista Veja. Posteriormente, 11 anos depois, o jornalista responsável pela matéria reconheceu que haviam erros nos números divulgados sobre o suposto desvio de verbas. Voltou à política em 2004, ao ganhar novo mandato como vereador de Porto Alegre. Seu último mandato foi como deputado estadual até 2018, despedindo-se da Assembleia Legislativa em abril daquele ano.

Com informações do Correio do Povo.