Ministros de Bolsonaro fizeram 1.060 viagens com aviões da FAB em 2019

Os ministros de Jair Bolsonaro (sem partido) fizeram 1.060 viagens em jatinhos da Força Aérea Brasileira (FAB) durante o primeiro ano de governo (2019), informa nesta quinta-feira (30) o G1.

No total, as autoridades solicitaram um jatinho da FAB a cada 8 horas e passaram mais de 2 mil horas no ar. O motivo mais frequente para solicitar o uso das aeronaves é “serviço”.

LEIA TAMBÉM:
Farra: Bolsonaro demite assessor de Onyx duas vezes em 3 dias

Maia pede demissão de Weintraub: ‘Como faz para um investidor olhar para um ministro da Educação desse?’

Governo Bolsonaro divulga lista de estatais que serão privatizadas

Na Esplanada dos Ministérios, os recordistas de voos são Osmar Terra (Cidadania), Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Ricardo Salles (Meio Ambiente). Em apenas um ano, Terra fez 113 viagens; Araújo, 104; e Salles, 93. A média é de 48,2 voos por ministério em um ano.

Em 2019, 20 dos 22 ministros de Bolsonaro registraram voos com aeronaves da FAB, segundo a análise do G1 com base em relatórios oficiais. Apenas os nomes dos ministros do Banco Central e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) não aparecem nos relatórios.

Além dos ministros de Bolsonaro, outras autoridades também fizeram viagens com jatinhos da FAB. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez 250 voos do tipo em 2019. Já o presidente do STF, Dias Toffoli, registrou 96 voos com a FAB em 2019. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), solicitou 56 vezes os voos da FAB naquele ano.

Voos de autoridades
Os voos de autoridades em aeronaves da FAB são autorizados para o vice-presidente da República, para os presidentes do Senado, da Câmara e do STF, para ministros de Estado, para os comandantes das Forças Armadas (Marinha, Exército e Aeronáutica) e para o chefe de Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.

Os aviões da FAB podem ser solicitados por viagens a serviço, emergência média ou motivo de segurança. Segundo o decreto 8.432 de 2015, o vice-presidente da República e os presidentes da Câmara, do Senado e do STF também podem usar as aeronaves para a cidade de residência.

A FAB publica alguns dados dos voos de autoridades, como o cargo, o dia e o horário do voo, o local de partido e de destino e a previsão de passageiros. Não há, porém, uma lista dos passageiros que estão nas aeronaves nem o nome da autoridade naquele cargo. A FAB também informa que “não cabe a ela apurar se os motivos das solicitações de apoio são efetivamente cumpridos”.