Mesmo com fila, novo dirigente acha que INSS tem servidores de mais

Publicado em 30 janeiro, 2020

Apesar da fila de 2 milhões de brasileiros que esperam por benefícios, o novo presidente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Leonardo Rolim, acha que o órgão tem servidores de mais.

Já o presidente anterior do INSS demitido no início da semana, Renato Rodrigues Vieira, sustentava que o Instituto precisava de um reforço de cerca de 14 mil servidores para colocar em dia a concessão de benefícios.

A diferença de raciocínio está no modelo de assistência social. Rolim diz que a fila de 2 milhões de benefícios surgiu por causa da digitalização dos processos. Antes a fila seria somente nas agências para atendimento. Ora, e quem não tem acesso aos meios digitais foi parar em que fila?

LEIA TAMBÉM
Medida Provisória para contratação de aposentados para o INSS sai semana que vem

Governo Bolsonaro sabia do apagão que viria no INSS há 6 meses

Perpétua propõe concurso emergencial no lugar de militares no INSS

INSS sofre apagão por causa da “reforma” da Previdência

A digitalização é bem vinda, mas não pode substituir os atendimentos nos balcões, pois muitos Brasileiros não tem condições de estrutura para montar um processo digital. Novamente, os mais carentes são os mais prejudicados.

O fato é que o atraso na concessão de benefícios do INSS e até do Bolsa Família está sendo útil para Bolsonaro e Guedes que pedalam com o que sobra em caixa. E a Dilma foi derrubada por menos que isso.