Fascismo e neoliberalismo andam de braços dados; por Milton Alves


Em artigo para o Blog do Esmael, o articulista Milton Alves comenta a demissão do secretário de Cultura Roberto Alvim e aponta que a execução da agenda neoliberal de Bolsonaro só é possível com um governo autoritário, de traços fascistas. Segundo ele, a tentativa de desvincular uma coisa da outra é “mistificação”.
“Na esteira do episódio que gerou a demissão do secretário de Cultura, o bisonho Roberto Alvim, a mídia corporativa e seus articulistas passaram, imediatamente, a tecer argumentos em defesa de uma suposta separação entre os traços neofascistas do governo e a política econômica conduzida pelo ministro Paulo Guedes”, argumentou. Leia a seguir a íntegra do artigo.

Fascismo e neoliberalismo andam de braços dados

Por Milton Alves*

Na esteira do episódio que gerou a demissão do secretário de Cultura, o bisonho Roberto Alvim, a mídia corporativa e seus articulistas passaram, imediatamente, a tecer argumentos em defesa de uma suposta separação entre os traços neofascistas do governo e a política econômica conduzida pelo ministro Paulo Guedes.

Trata-se de mistificação e uma tentativa de separar a voracidade neoliberal das ações autoritárias do governo Bolsonaro. O neoliberalismo é, nas condições atuais, o fascismo na economia, que esmaga os direitos democráticos, a soberania nacional e as conquistas sociais do povo trabalhador.

O discurso neoliberal do estado mínimo, da defesa da meritocracia de fachada, da promoção do darwinismo social são elos da mesma e única cadeia do chamado combate ao “marxismo cultural” impulsionado pelo bolsonarismo. A cruzada obscurantista contra a ciência, contra o saber acumulado e a fruição artística, anda de braços dados com o ideário econômico de Paulo Guedes.

O discurso encenado de Roberto Alvim, pupilo de Olavo de Carvalho, não é um caso isolado, de um maluco que fez uma declaração infeliz imitando Joseph Goebbels. O caso explicitou os pendores e os vetores de um governo, que opera a construção de um regime de autoritarismo político como parte essencial do mecanismo de superexploração econômica do povo trabalhador e do saque generalizado das riquezas nacionais.

LEIA TAMBÉM:

#BolsonaroTraidor vai ao topo do Twitter neste sábado

Weintraub também parafraseou discurso nazista; assista ao vídeo

PT divulga nota sobre demissão de Alvim: “Bolsonaro defende mesmas ideias”

Portanto, a luta em defesa da democracia é inseparável da derrota do projeto neoliberal e entreguista do governo de Jair Bolsonaro e dos 1% mais ricos do Brasil.

*Ativista político e social. Autor do livro ‘A Política Além da Notícia e a Guerra Declarada Contra Lula e o PT’