EUA x Irã: conflito pode levar o mundo à 3ª Guerra Mundial?

Publicado em 3 janeiro, 2020

O ataque dos Estados Unidos, que resultou na morte do general Qassim Suleimani, em Bagdá, será vingado pelo Irã. A promessa é do líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei.

Em virtude do aumento da temperatura na região, os EUA resolveram enviar mais tropas para o Oriente Médio. O reforço inicial será de 3 mil soldados.

Mais cedo, numa transmissão ao vivo, o Blog do Esmael explicou que o general assassinado era considerado um herói nacional no Irã e no Oriente Médio. Ele comandava a guarda revolucionária iraniana e liderou a espionagem internacional de Teerã por 20 anos.

O bombardeio norte-americano recebeu reprovações quase unânimes. ONU, Rússia, Síria e China foram os primeiros a se pronunciar sobre o ataque autorizado pelo presidente Donald Trump.

SAIBA TUDO SOBRE A CRISE EUA X IRÃ
A 3ª guerra mundial chegando e o Brasil pedindo: #BolsonaroFicaCalado

Ao vivo: 3ª Guerra Mundial batendo à porta; e agora, Bolsonaro?

Rússia condena assassinato de Soleimani pelos EUA e declara apoio ao Irã

Bolsonaro recruta soldados pela internet. Quem vai em tempo de ameaça de guerra?

EUA atacam aeroporto de Bagdá e matam principal líder militar do Irã

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro (sem partido), como recomendada pelas redes sociais, não se pronunciou [ainda] sobre a crise EUA e Irã.

Segundo o jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil, a guerra no Oriente Médio alimenta a economia norte-americana e sua hegemonia. “Trump venceu, em parte, concorrendo contra esse militarismo irracional, e agora é uma personificação dele”, criticou.

Para o jornalista do Intercept, o ataque dos EUA contra o Irã, sem o Congresso, é um dos usos mais imprudentes da força militar em anos. ‘Se você deseja impeachment de Trump é uma base válida e justa para isso’, afirmou.

O medo de uma 3ª Guerra Mundial dominou as discussões “quebrou” a internet no Brasil e no mundo porque o perigo é real e os atores políticos são inconsequentes, a exemplo de Trump –que pode arrastar seu “poodle” de estimação para um conflito bélico em escala mundial.