Entidades estudantis pedirão indenização por erros no Enem

Iago Montalvão e Pedro Gorki.
A União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG) vão acionar nesta terça-feira (21) o Ministério Público Federal (MPF) para buscar indenização por danos morais aos candidatos do último Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que foram prejudicados pelo erro na correção das provas.

“Nosso objetivo é uma reparação material aos candidatos por conta do prejuízo psicológico e emocional que tiveram com essa quebra de expectativa”, explica Pedro Gorki, presidente da UBES.

LEIA TAMBÉM:
Weintraub fala do Sisu mas cala sobre problemas no Enem; assista

Governo Bolsonaro zomba dos estudantes pelo Instagram

Enem 2019 pode ser anulado por erros; Weintraub pode ser demitido do MEC

O presidente da UNE, Iago Montalvão, disse que a entidade tem recebido muitas mensagens com denúncias de erros nas notas. “Essa negligência do MEC levou a uma situação em que não há mais confiança e segurança nas notas obtidas por centenas de milhares”, escreveu Montalvão no Twitter. Ele pede realização de auditoria na correção do Enem.

Se a reclamação das entidades for aceita pelo MPF, os candidatos poderão impetrar uma Ação Civil Pública para garantir indenização.

No sábado (18), o próprio ministro da Educação, Abraham Weintraub, admitiu que houve “inconsistências” na correção das provas do Enem 2019 que afetaram o resultado de milhares de estudantes.

Nesta terça-feira, Weintraub publicou um vídeo no Twitter falando da abertura Sisu (Sistema de Seleção Unificada) e ignorou solenemente os problemas com as notas do Enem.

Com informações do UOL.