Deputados do PT dementem Bolsonaro em ‘fake news’ sobre o salário mínimo

Publicado em 2 janeiro, 2020

O presidente Bolsonaro disse, nesta quinta-feira (2), que o reajuste do salário-mínimo foi “acima do que seria se a lei do PT estivesse em vigor”.

Segundo deputados do PT, a declaração é mentirosa. Se a política implantada pelo governo de Dilma Rousseff estivesse em vigor, o valor do salário-mínimo deveria ser de R$ 1.053 este ano.

Parlamentares do PT desmentiram no Twitter a nova “fake news” do presidente. A presidenta nacional do partido, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), foi enfática ao rebater Bolsonaro. “Não se iludam! Não teve aumento para o Salário Mínimo. O valor de $ 1.039,00 em 2020 considera expectativa de inflação de dezembro (preço da carne) e reposição de 2019, quando o reajuste ficou abaixo da inflação. Se a política do PT fosse mantida, o SM seria de $ 1.053,00”, explicou.

O líder da bancada petista na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), lembrou que a revogação da política de reajustes do PT foi uma das consequências do golpe contra a presidenta Dilma Rousseff em 2016.

“Salário-mínimo seria hoje de R$ 1053 se não tivessem derrubado o governo Dilma com um golpe. A gasolina não estaria nem perto de R$ 4. O gás seria vendido pela metade do preço de hoje. Nossas riquezas não seriam vendidas a preço de banana. E não haveria terraplanista no governo”, ironizou o deputado gaúcho.

LEIA TAMBÉMS
Véio da Havan ‘mamou nas tetas’ do BNDES, diz Frota

Gleisi condena salário mínimo sem aumento prejudicando 49 milhões de pessoas

Ouça a ‘Marchinha da Rachadinha’ dos Bolsonaro e Queiroz

O deputado Zeca Dirceu (PT-PR) também expôs o contexto mais amplo da economia para criticar a decisão do governo Bolsonaro. “Bolsonaro sabe que a inflação está aumentando – olhem o preço da carne, gás, combustível – e sabe que havia estabelecido um reajuste abaixo da inflação. Se a política dos governos do PT de valorização do salário mínimo tivesse sido mantida, em 2020 seria R$ 1.053!”, argumenta Zeca.

As informações são do PT na Câmara.