Dataprev: Funcionários entram em greve contra demissões e privatização

Publicado em 24 janeiro, 2020
Compartilhe agora!


Os trabalhadores da Dataprev do Rio de Janeiro, Brasília, Bahia, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Sergipe e de várias sedes regionais espalhadas pelo país decidiram entrar em greve por tempo indeterminado contra as privatizações e pelo fim das demissões. Na Bahia, em Pernambuco, no Rio Grande do Sul e em Sergipe, a greve já começou. No Distrito Federal a paralisação vai começar na próxima segunda-feira (27), no Rio na terça-feira (28).

O governo Bolsonaro, com o fechamento de 20 unidade e demissões, segue o processo de privatização da empresa estatal.

A Dataprev e o Serpro são responsáveis pelo armazenamento de dados sigilosos e estratégicos do país, de empresas e de milhões de brasileiros. O Serpro processa 90,5 milhões de impostos de renda anualmente tanto pessoa física como jurídica. Já a Dataprev, é responsável pelo processamento mensal do pagamento de 35 milhões de benefícios previdenciários.

LEIA TAMBÉM:

Bolsonaro desmonta Dataprev: Fecha 20 unidades e demite funcionários

Apesar das filas no INSS, Bolsonaro anuncia privatização do Dataprev

No Rio, artistas e movimentos em defesa do histórico Teatro Casa Grande

O diretor da Federação Nacional dos Empregados em Empresas e Órgãos Públicos e Privados de Processamento de Dados, Serviços de Informática e Similares (Fenadados), Eudes da Silva, destacou que o governo Bolsonaro “está atropelando tudo, não está dialogando com a representação dos trabalhadores”.

Um dos motivos da greve é que a Fazenda Nacional deu sinal verde para a privatização da Dataprev. Na quarta-feira (22) foi publicada uma portaria no Diário Oficial da União determinando que a Secretaria Nacional de Desestatização, sob chefia de Salim Mattar, deve seguir as regras aprovadas pelo conselho e pelo ministro Paulo Guedes.

*Com informações da CUT

Compartilhe agora!