Cartas que Lula recebeu na prisão vão virar filme


As mais de 30 mil cartas e bilhetes que Lula recebeu quando da prisão política da Lava Jato em Curitiba vão virar um filme. Além da organização e digitalização, o trabalho já rendeu um site e até uma peça de teatro em Paris. Lula ficou sabendo em primeira mão, na quarta-feira (22), que um filme sobre as cartas está a caminho.

A historiadora francesa Maud Chirio, fundadora da Rede Europeia pela Democracia no Brasil (RED.Br), foi uma das idealizadoras do trabalho e contou a Lula que “essas cartas não são apenas sobre o Lula, são sobre democracia, sobre solidariedade e sobre como as políticas públicas mudaram a vida das pessoas”.

“Quando tivemos contato com essas cartas ficou óbvio o valor que elas tinham. São relatos emocionantes, de pessoas que mudaram de vida por conta da política. Numa época de negação da política, essas cartas são a prova de que a política é importante para a vida real das pessoas”, conta Maud.

A historiadora disse também que o momento político e os ataques ao Instituto Lula a fizeram temer pela segurança desse material. “Avaliamos que esse material está em risco pela perseguição que aconteceu aqui e, como historiadores, nos dedicamos a divulgar e preservar a riqueza que tem ali.”

LEIA TAMBÉM:

Dataprev: Funcionários entram em greve contra demissões e privatização

Além do site Linhas de Luta, com cartas em português, francês, inglês e espanhol, em junho do ano passado, trinta e oito artistas, políticos e intelectuais franceses e brasileiros se encontraram no palco do teatro Monfort, para a leitura de 80 cartas enviadas ao ex-presidente. Segundo reportagem feita na época pela Rádio França Internacional, “o teatro parisiense, com capacidade para 450 pessoas, ficou lotado para ouvir o cantor e compositor Chico Buarque de Hollanda, as atrizes Maria de Medeiros e Anna Mouglalis, a jornalista Audrey Pulvar, o ex-deputado Jean Wyllys e a filósofa Marcia Tiburi, entre outras personalidades.

O evento foi iniciativa de Maud, com a dramaturgia assinada pelo autor e diretor francês Thomas Quillardet em parceria com o bailarino e coreógrafo brasileiro Calixto Neto.

Fonte: Instituto Lula