Bolsonaro tenta, mas não consegue demitir Moro

Publicado em 14 janeiro, 2020
Compartilhe agora!

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não observou a máxima segunda qual ‘nunca nomeie quem não possa demitir’ do governo futuramente.

O erro cometido pelo capitão foi verbalizado pelo ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, acerca da demissão do ministro Sérgio Moro.

“Se demitir o Moro, o seu governo acaba”, advertiu o general em agosto de 2019, quando Bolsonaro já havia “decidido” defenestrar o ministro da Justiça.

LEIA TAMBÉM
Brasil inaugura nova base na Antártida que teve início em 2012

Em nota, Dilma comemora indicação de ‘Democracia em Vertigem’ ao Oscar

Lula comemora indicação de ‘Democracia em Vertigem’ ao Oscar

A informação consta do livro “Tormenta – O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos”, da jornalista Thaís Oyama, como já anotamos ontem (13) aqui no Blog do Esmael.

Bolsonaro tem um casamento de aparência com Moro, forçado, pra inglês ver; um não atura o outro, mas na hipocrisia fingem se amar em público.

Resumo da ópera: o presidente não consegue se livrar do ministro porque este último é mais popular.

Compartilhe agora!