Bolsonaro manda BC ‘torrar’ US$ 3 bilhões das reservas do Brasil, após disparada do dólar


Após a disparada recorde do dólar nesta quinta-feira (30), o presidente Bolsonaro e o ministro da Economia Paulo Guedes ordenaram ao Banco Central (BC) uma nova queima das nossas reservas através da realização de um leilão extraordinário de US$ 3 bilhões.

A alta da moeda norte-americana, que chegou a ultrapassar a marca de R$ de 4,27, atingindo o maior valor nominal desde a criação do Real, aponta para a crescente vulnerabilidade da economia nacional e o desastre que se avizinha, com uma possível dolarização. Um anseio do ministro Paulo Guedes.

O BC fará nesta sexta-feira (31) um novo leilão extraordinário. A última vez em que o BC tinha feito um leilão de linha foi em 18 de dezembro do ano passado, quando a autoridade monetária vendeu US$ 600 milhões com compromisso de recompra.

A política ultraliberal do governo bolsonarista de atração de capitais externos, facilitando toda sorte de especulação financeira e a desnacionalização da nossa economia, aprofunda cada vez mais a dependência do país frente aos zigues zagues das finanças internacionais, controladas por um punhado de banqueiros.

LEIA TAMBÉM:

Greve dos petroleiros contra fechamento da Fafen começa neste sábado

Governo publica decreto que transfere PPI para o ministério de Guedes

Frota: Bolsonaro vai para o hospital ‘toda vez que o bicho pega’

Na próxima semana, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central promove uma nova reunião para definir os juros básicos no Brasil. A pressão dos bancos é para uma elevação da taxa Selic.

Com informações da Agência Brasil.