cartao bolsa familia 1386012876871 1920x1280

Bolsa Família sofre ataque de Bolsonaro e começa a ser ‘esvaziado’


O governo de Jair Bolsonaro (sem partido) tem atacado de forma sistemática o Bolsa Família, programa criado em 2003 pelo ex-presidente Lula, como forma de combate à pobreza no país. Atualmente, o programa atravessa um processo continuado de esvaziamento: Além da fila de espera de 500 mil pessoas, a média mensal de concessão de benefícios caiu de 260 mil para 5.600 por mês.

Os dados foram divulgados pelo O Globo por meio da Lei de Acesso à Informação. Segundo o jornal, foram quatro meses de espera das informações o Ministério da Cidadania, que só liberou a informação após determinação da Controladoria Geral da União (CGU).

“Desde junho, a fila de pessoas aguardando pelo benefício saltou de zero, patamar que se encontrava desde 2018, para 494.229 famílias. A espera é a maior desde 2015, quando mais de 1,2 milhão de famílias aguardavam o auxílio”, diz a reportagem.

São famílias cujo perfil de renda é compatível com programa e já estão cadastradas — mas continuam na miséria e sem a ajuda de R$ 89 por pessoa.

LEIA TAMBÉM:

Coração de pedra, Bolsonaro deixa 500 mil sem Bolsa Família

Bolsonaro faz apologia à ignorância, afirmam historiadoras no jornal Le Monde

PT pode apoiar Flávio Dino à presidência em 2022, diz Gleisi

Entre janeiro de 2018 e maio de 2019, a média mensal de novos benefícios concedidos era de 261.429. Desde junho, esse número caiu drasticamente, e hoje esse número está em 5.667.

Essa redução fez com que a entrada de famílias, que deveria ocorrer em até 45 dias após a inclusão e análise dos dados inseridos, passasse a até mais de seis meses, segundo técnicos que trabalham na concessão dos benefícios.