A exemplo de Ghosn, primo de Beto Richa também fugiu para o Líbano

O ex-presidente da aliança Renault-Nissan Carlos Ghosn não é o primeiro brasileiro a fugir para o Líbano. No ano passado, um primo do ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) também foi e nunca mais voltou do país localizado na Ásia Oriental.

Luiz Abi Antoun era chamado de “primo distante” pelo tucano, mas, em diversas oportunidades, o Blog do Esmael mostrou que eles não eram tão distantes assim. Além disso, mesmo não tendo cargo no governo, Abi Antoun influenciava mais que secretários de Estado.

O primo distante de Beto Richa fugiu para a cidade libanesa de Biblos (Jbeil, em árabe), segundo os autos do processo na 22.ª Vara Criminal de Curitiba.

Assim como Ghosn, Abi Antoun tem cidadania libanesa e ele sumiu para o Líbano após conseguir um habeas corpus no STF, em outubro de 2018, acerca da Operação Integração (pedágios).

LEIA TAMBÉM
Véio da Havan ‘mamou nas tetas’ do BNDES, diz Frota

Gleisi condena salário mínimo sem aumento prejudicando 49 milhões de pessoas

Ouça a ‘Marchinha da Rachadinha’ dos Bolsonaro e Queiroz

O primo do ex-governador paranaense ainda é réu em ações penais das operações Quadro Negro (desvios na Educação) e Publicano (desvios na Receita Estadual).

Luiz Abi Antoun jura que não é foragido da Justiça. Ele afirma que não tem condições de saúde para viajar de volta para o Brasil. Alega que sofre fortes tosses.

Como as mesmas escusas do ex-presidente da Renault-Nissan, que disse ser perseguido no Japão, o primo distante de Beto Richa igualmente denunciou que é vítima de perseguição política no Brasil.

Ghosn divulgou uma nota à imprensa, já a partir do Líbano, afirmando que não será “mais ser refém de um sistema judicial japonês fraudulento em que se presume culpa, onde direitos humanos básicos são negados. Não fugi da justiça. Escapei da injustiça e da perseguição política. Agora posso finalmente me comunicar livremente com a mídia e estou ansioso para começar na próxima semana”.

Brasileiro de Porto Velho (RO), Carlos Ghosn foi preso duas vezes pela polícia do Japão. O magnata é acusado de sonegar R$ 167,4 milhões no país do Sol Nascente, usar indevidamente bens da montadora Nissan, dentre outras falcatruas com o dinheiro de outrem.