michel temer salario minimo

Sem aumento real, salário mínimo vai a R$ 1.039 em 2020

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) definiu nesta terça-feira (31) que o salário mínimo será de R$ 1.039 a partir de 1º de janeiro de 2020. Pela segunda vez consecutiva, o atual presidente não concede aumento real para os trabalhadores brasileiros.

O reajuste de 4,1% apenas corrige a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). O atual mínimo é de R$ 998.

O novo salário mínimo de R$ 1039, sem aumento real, se soma à precarização do trabalho desde a reforma trabalhista em novembro de 2017.

É cada vez mais raro no Brasil de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes o trabalho com carteira assinada.

LEIA TAMBÉM
71% dos brasileiros não sentiram melhora na economia, diz Paraná Pesquisas

Ano novo inicia com tarifaço nas passagens de metrô, ônibus e trens em SP

A bolsa subiu 31,5% no ano, mas o salário ó… sem ganho real

Por outro lado, há uma crescente uberização da mão de obra e informalidade. São pessoas que não conseguiram recolocação no mercado recessivo e fazem do bico seu meio de subsistência.

Além disso, é bom frisar, 70% das vagas abertas –e comemoradas pelo governo– são intermitentes.

O governo Bolsonaro não é transparente com os números, mas, cruzando dados oficiais do IBGE, estima-se em 77 milhões de pessoas desempregadas, desocupadas e desalentadas para uma população economicamente ativa de 159,5 milhões de pessoas no País.

O Brasil é a nação com o maior número de desocupados no mundo, se consideramos as métricas da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Portanto, o mínimo de R$ 1.039, mesmo sem aumento real, é para inglês ver. Poucos receberão formalmente essa ninharia nesses tempos de precarização e de Bolsonaro.

É nesse dramático quadro que entraremos em 2020, infelizmente.