PT repudia “espetacularização política e midiática” em operação contra Ricardo Coutinho

Publicado em 17 dezembro, 2019

O PT divulgou uma nota na tarde desta terça-feira (17) em que repudia a “espetacularização política e midiática” da Operação Calvário – Juízo Final, da Polícia Federal (PF) em conjunto com o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), Ministério Público Federal (MPF) e Controladoria-Geral da União (CGU), que teve como um dos alvos o ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB).

LEIA TAMBÉM:
Ricardo Coutinho: ‘acusação genéria e criminalização da autoestima da Paraíba’

Lava Jato “obriga” CNJ aprovar regras para uso de redes sociais por juízes

Bolsonaro é movido à injúria, calúnia e difamação, diz deputado petista

Na nota, o partido critica a inclusão do nome Coutinho na lista de alertas da Interpol e o fato de a TV Globo ter sido informada com antecedência da operação. Além disso, também aponta práticas típicas de lawfare contra o ex-governador socialista.

Confira a íntegra da nota:

O Partido dos Trabalhadores repudia a espetacularização política e midiática em torno das investigações e da decisão judicial desta terça (17/12) envolvendo o ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) e diversas pessoas ligadas aos seus dois mandatos.

Uma investigação que deveria se revestir de sobriedade e objetividade foi mais transformada em prejulgamento na mídia, apesar da fragilidade técnica e jurídica da medida cautelar que decretou as prisões.

Causa espanto, por exemplo, a ordem de inclusão do nome de Coutinho na lista de alertas da Interpol, ato que não encontra qualquer justificativa na conduta do ex-governador.

É igualmente estranho o fato de a Rede Globo ter sido informada com antecedência e, em razão disto, ter transformado a operação policial em um espetáculo sensacionalista. Como tem sido praxe em casos que envolvem lideranças do campo popular, a acusação comanda a notícia sem que a defesa tenha direito equivalente.

O Estado de Direito precisa ser respeitado e o direito à ampla defesa não pode ser violado por práticas típicas do lawfare.

Brasília, 17 de dezembro de 2019.

Gleisi Hoffmann
Presidenta do Partido dos Trabalhadores

Paulo Pimenta
Líder do PT na Câmara

Humberto Costa
Líder do PT no Senado

Jackson Macedo
Presidente do PT da Paraiba