PGR passa o facão na Lava Jato

O procurador-geral da República, Augusto Aras, determinou o corte de 50 assessores comissionados no órgão. Segundo o jornal O Globo, o facão atingiu a força-tarefa Lava Jato.

A portaria assinada pelo secretário-geral da PGR, Eitel Santiago Pereira, extingue 47 cargos vinculados ao antigo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) e 15 de cooperação com outros países.

Se por um lado Aras cortou os tentáculos da força-tarefa Lava Jato, qual seja, diminuiu o poder político do procurador Deltan Dallagnol, de outro, o PGR reforçou seu time com 74 novos de assessores nos gabinetes dos subprocuradores-gerais da República, topo da hierarquia do Ministério Público Federal (MPF).

Mesmo com a extinção de 50 cargos, a Lava Jato ainda preservou ao menos 45 no âmbito da PGR.

Ainda são muitos cargos disponíveis para quebrar empresas nacionais, ferrar a economia e ajudar no desemprego de milhões de brasileiros.

LEIA TAMBÉM
Dallagnol processa Gilmar e pede indenização por danos morais

Felipe Neto: Vale prisão para as 500 mentiras de Bolsonaro?

Como se monta o desmonte de Bolsonaro