Operação Juízo Final tenta prender ex-governador Ricardo Coutinho

Em maio de 2019, o ex-governador Ricardo Coutinho e o presidente do PDT, Carlos Lupi, relatam visita ao ex-presidente Lula.
A Polícia Federal expediu na manhã desta terça-feira (17) mandado de prisão contra o ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB), no âmbito da Operação Calvário – Juízo Final.

Coutinho é um dos políticos nordestinos que visitaram o ex-presidente Lula no cárcere, em Curitiba, e um entusiasta da retomada da caravana do petista pela região Nordeste do País com vistas às eleições de 2020 e 2022.

De acordo com a PF, são cumpridos 17 mandados de prisão preventiva na Paraíba, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Goiás e Paraná.

LEIA TAMBÉM
Fundo eleitoral bilionário é o menor dos problemas do Brasil

Toffoli não disse novidade alguma sobre a Lava Jato ter quebrado empresas no Brasil

Liderança do PSL: Eduardo Bolsonaro sobe; Joice Hasselmann cai

A operação, realizada em conjunto com o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), Ministério Público Federal e Controladoria-Geral da União (CGU), apura desvio de recursos públicos na ordem de R$ 134,2 milhões, dos quais mais de R$ 120 milhões teriam supostamente sido destinados a agentes políticos e às campanhas eleitorais de 2010, 2014 e 2018.

De acordo com as investigações, organizações sociais reuniram uma rede de prestadores de serviços terceirizados e de fornecedores, com a celebração de contratos com sobre-preço na gestão de hospitais.

Ainda conforme as investigações, houve o uso eleitoral dos serviços de saúde, com direcionamento de atendimentos e fraude no concurso de pré-seleção de pessoal em hospital no ano de 2018.

PS: o nome da operação “Juízo Final” é de uma pretensão arrogantíssima; é a confissão de que a PF se considera representante de Deus, ungida para o julgamento final. Um horror!