MPF abre investigação penal contra procurador da Lava Jato por propina

Publicado em 5 dezembro, 2019

O procurador Januário Paludo, membro da força-tarefa da Lava Jato de Curitiba, será investigado pelo Ministério Público Federal pela suspeita de receber propina para proteger o doleiro Dario Messer.

Januário é um dos veteranos da turma de procuradores da “República de Curitiba”. O grupo de mensagens no Telegram revelado pela série de reportagens da Vaza Jato chamado de “Filhos do Januário” tem esse nome em referência ao procurador.

Essa é a primeira investigação penal envolvendo um procurador da Lava Jato. A acusação foi formulada com base em mensagens trocadas entre o doleiro e sua namorada.

LEIA TAMBÉM
Procurador da força-tarefa Lava Jato recebeu propina, diz Polícia Federal

Delação de hacker inocenta Glenn Greenwald e Manuela D’Ávila

Lula é absolvido de farsa da Lava Jato; leia a íntegra da decisão judicial

A Corregedoria do MPF também vai investigar o caso do ponto de vista ético-disciplinar.

De acordo com conversa interceptada pela Polícia Federal, o doleiro Messer falou com sua namorada sobre o pagamento de propina a Januário Paludo.

Os pagamentos de Messer seriam para “blindar” o doleiro em investigações da operação Lava Jato. A PF trabalha com a hipótese de que outros procuradores da força-tarefa também tenham recebido propina.

Os diálogos sobre a propina de Messer a Paludo, ocorridos em agosto de 2018, foram obtidos pela PF do Rio de Janeiro a partir da operação Patrón.

Com informações da Folha de São Paulo.