Moro é a maior ameaça à democracia brasileira, diz fundador do site The Intercept Brasil

Publicado em 22 dezembro, 2019

O jornalista norte-americano Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil, afirma que o ministro Sérgio Moro é a maior ameaça à democracia brasileira.

Com mais de 1 milhão de mensagens do Telegram em seu poder, obtidas junto a hackers, segundo a Polícia Federal, Glenn até “alivia” para o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) quando fala do ex-juiz da Lava Jato.

.

“A maior ameaça à democracia brasileira não é Jair Bolsonaro. A maior ameaça é Sergio Moro. Ele não tem limites para o seu autoritarismo. Até seus apoiadores no Ministério Público Federal e na Lava Jato sabiam disso”, afirma o responsável pela Vaza Jato.

“Que Moro vê o poder legal puramente como brinquedos para seu próprio avanço político é comprovado pelo fato de que mesmo seus apoiadores do LJ/MPF disseram que ele protegeria a corrupção da família Bolsonaro (Flávio) para avançar em sua própria carreira.”

Para o jornalista, Bolsonaro é uma ameaça menor porque sua “incompetência”, “palhaçada” e a “corrupção de sua família” o impedem de ser efetivo.

.

Glenn Greenwald acusa o ministro Moro de usar o cargo para fins políticos, de abusar da função pública para punir críticos como o presidente da OAB e ignorar crimes que prejudiquem o ex-juiz.

“Moro faz que a Polícia Federal dedique recursos maciços a crimes que prejudicam ele ou seus aliados”, escreve o fundador do Intercept. Segundo ele, “Moro abusa do poder da lei para punir seus críticos (Santa Cruz). Mas crimes que beneficiam Moro (v.g. o Pavão) são ignorados. Ele vê o sistema legal só como uma arma para seus fins políticos.”

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro se opõe a Moro ao defender “juiz de garantias” contra abusos de juízes

.

Bolsonaro critica investigação do Caso Marielle Franco

Bolsonaro é eleito pelo Blog do Esmael o Pior do Ano 2019

Glenn Greenwald liga novamente o reloginho: tic-tac, tic-tac, tic-tac

.

O jornalista Glenn Greenwald cobra da PF investigação sobre a origem de fake news do “Pavão Misterioso”, que espalhou notícias falsas sobre o deputado Davi Miranda (PSOL-RJ) e o ex-deputado Jean Wyllys, bem como responsável por forjar documentos sobre jornalistas e parlamentares. Glenn cita a capa da revista IstoÉ acerca da compra do mandato.

“Quero enfatizar de novo: há mais informações do que o PF incluiu em seu relatório final apontando para o dono do site Terça Livre como o Pavão”, denuncia, referindo-se à página bolsonarista.

Glenn também disparou contra outros sites e órgãos de comunicação lavajatistas e de extrema-direita: “É incrível que todos os leitores do Antagonista e ouvintes do Jovem Pan, e o monte de sites/canais pró-Bolsonaro e pró-Moro que foram levados a acreditar que o Pavão fosse real e que nossa prisão fosse iminente, não ficassem zangados. Eles são um rebanho que quer ser enganado.”

.

Ainda sobre as fake news, o jornalista do Intercept recorda que inicialmente espalharam besteiras como hackers russos, pagos em bitcoins e envolveram Edward Snowden.

O fundador do Intercept Brasil não tem dúvidas da seletividade política de Sérgio Moro, que ele é uma ameaça à democracia brasileira, e por isso pensa fazer uma campanha pelo seu impeachment do cargo de ministro da Justiça.

De acordo com Glenn Greenwald, Moro controla a PF e nada faz para resolver os crimes graves. A isso se chama prevaricação, crime tipificado no Código Penal.