Dias Toffoli vai confirmar no STF derrota de Moro no caso juiz das garantias

Jair Bolsonaro (PR); Dias Toffoli (STF); Davi Alcolumbre (Senado); Rodrigo Maia (Câmara); foto: Marcos Corrêa/PR.
O ministro Dias Toffoli, presidente do STF, deverá confirmar em janeiro a validade do juiz das garantias, sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), e, consequentemente, a derrota do ministro da Justiça Sérgio Moro.

Dias Toffoli vai examinar durante o recesso a ADIN (Ação Direta de Inconstitucionalidade), contra o juiz das garantias, impetrada pela AMB e Ajufe –as associações de magistrados e juízes federais.

O presidente do Supremo Tribunal Federal é favorável ao juiz das garantias, portanto ele irá indeferir a ADIN prevista para entrar em vigor no dia 24 de janeiro de 2020.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro e esquerdas se unem ‘tacitamente’ pelo juiz das garantias

Juiz das garantias, que bicho é esse?

Juiz de garantias é ‘uma conquista da cidadania’, diz Celso de Mello

Após o recesso, dia 19 de janeiro, a relatoria da ADIN passará para o ministro Luiz Fux, conhecido como membro da bancada lavajatista do STF.

Uma das reclamações é sobre a entrada em vigor do juiz das garantias em 30 dias. A corte máxima pode modular essa transição para 180 dias.

O Supremo também pode delimitar o juiz das garantias somente à primeira instância e a novos processos, não aos antigos.

Entretanto, as defensorias públicas defendem a validade do juiz das garantias na modulação máxima, isto é, em todas as instâncias e para todos os processos (novos e velhos).