Com Bolsonaro e Guedes, 41% dos trabalhadores estão na informalidade

O percentual de trabalhadores em atividade sem carteira assinada alcançou os 41%. É o maior índice desde que o IBGE passou a fazer a pesquisa em 2016.

Essa informação, somada ao número de desempregados que ultrapassa os 12 milhões de brasileiros, cria uma realidade de desalento e de empobrecimento dos trabalhadores e suas famílias.

LEIA TAMBÉM
O desespero pela comida voltou: Caminhão de carne saqueado no Rio; assista

Drama do desemprego atinge mais de 12 milhões; ‘bico’ e desalento crescem

Bolsonaro não tem nada na cabeça, confirma tomografia

A classe trabalhadora acossada pelo desemprego, a precarização e o desalento

Os trabalhadores que estão na informalidade não têm garantias dos seus direitos e não contribuem para a aposentadoria. Isso piora o dito desequilibro das contas públicas, pois o governo arrecada menos.

Mesmo com a retirada de direitos promovida pelo governo golpista de Michel Temer e acirrada no mandato de Bolsonaro, o desemprego não diminui e nem a informalidade. Isso prova que a “flexibilização” das leis trabalhistas não melhora a  empregabilidade.

Com informações do G1.