lula livre

Vigília Lula Livre no TRF-4 em Porto Alegre nesta quarta-feira

lula livre -
A Central Única dos Trabalhadores (CUT-RS) e movimentos sociais realizam nesta quarta-feira (27), a partir das 9h, uma vigília em defesa da inocência de Lula e pelo fim das mentiras da operação Lava Jato contra o ex-presidente, em frente ao prédio do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre.

A manifestação ocorre no dia em que estará em julgamento o recurso da defesa de Lula contra a condenação sem crime e sem provas do ex-presidente no caso do sítio de Atibaia, no interior de São Paulo.

“Vamos defender a inocência de Lula e protestar contra a perseguição jurídica e midiática que continua sofrendo o ex-presidente, após ter sido preso político por 580 dias em Curitiba”, afirma o novo presidente da CUT-RS, Amarildo Cenci.

“Além disso, os vazamentos de mensagens entre juízes e procuradores, revelados pelo site The Intercept Brasil, mostram a atuação parcial, seletiva e política da Lava Jato, atropelando a verdade, a Constituição e o Estado Democrático de Direito”, salienta o dirigente sindical.

A defesa de Lula havia pedido ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a suspensão do julgamento, com base na decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de que os acusados em delação premiada devem ser os últimos a falar nos processos. Os advogados do ex-presidente não tiveram essa possibilidade.

Lula foi condenado a 12 anos e 11 meses “por corrupção passiva e lavagem de dinheiro” pela juíza substituta Gabriela Hardt, que ficou no lugar ex-juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça do governo de Jair Bolsonaro.

LEIA TAMBÉM:

Sítio de Atibaia: Fachin continua perseguição a Lula e mantém julgamento no TRF-4

‘Moro beneficiou criminosos confessos na Lava Jato’, denuncia Lula

STF dá 15 dias para PGR se manifestar sobre Bolsonaro no caso Marielle

Na sentença, a magistrada copiou e colou inclusive trechos da sentença de Moro no processo do tríplex do Guarujá. A defesa de Lula recorreu pedindo a absolvição, alegando inexistência e ausência de provas.

*Com informações da CUT