Plano Guedes é o AI-5 de Bolsonaro na economia dos mais pobres

Publicado em 6 novembro, 2019
Compartilhe agora!

O professor e economista Guilherme Santos Mello, da Unicamp, com razão, classificou o Plano Guedes o AI-5 do presidente Jair Bolsonaro na economia do Brasil.

Segundo o catedrático, o plano de Bolsonaro e Guedes anunciado ontem como “Plano mais Brasil” reúne um conjunto de medidas que na prática suspendem os direitos sociais e o arranjo federativo previstos na Constituição Federal de 1988.

A despeito da festa da Globo, Folha, Bolsonaro e até de ‘setores da esquerda’ [juntos e shallow now?], alerta Santos Mello, foi da mesma forma que o AI-5 suspendeu os direitos políticos e interferiu diretamente no “pacto federativo”.

“O plano Guedes suspende os direitos sociais e aniquila milhares de municípios.”

De acordo om o professor da Unicamp, o plano Bolsonaro/Guedes ataca o funcionalismo público e possibilita a redução salarial de até 25%, qual seja, vem aí o maior arrocho da história deste País.

Para saúde e educação, em perspectiva, a longo prazo, o pacote é uma tragédia porque “simplesmente extingue o PPA (Plano Plurianual) e acaba com vinculações, obrigação de gastos e fundos voltados para educação e saúde.”

O professor e economista ainda denuncia o darwinismo econômico contido no plano de Bolsonaro e Guedes, aplaudido pela mídia bolsonarista e setores ditos de esquerda.

“Guedes propõe destruir qualquer vínculo de solidariedade entre os entes federados, promovendo uma espécie de “cada um por si” federativo, onde só sobreviverão os estados e municípios ricos”, aponta Guilherme Santos Mello.

LEIA TAMBÉM
Folha de S. Paulo reafirma fé no bolsonarismo econômico

Lula manda recado para a Globo nas vésperas de julgamento do STF

Ricardo Cappelli: Sobre leões e hienas

Leia a íntegra da análise:

PLANO GUEDES: O AI-5 ECONÔMICO.

Guilherme Santos Mello*

O plano de Bolsonaro e Guedes anunciado ontem como “Plano mais Brasil” reúne um conjunto de medidas que na prática suspendem os direitos sociais e o arranjo federativo previstos na Constituição Federal de 1988. Da mesma forma que o AI-5 suspendeu os direitos políticos e interferiu diretamente no “pacto federativo”, o plano Guedes suspende os direitos sociais e aniquila milhares de municípios.

Em primeiro lugar, ele foi criado para ativar os “gatilhos” previstos na EC 95, que de tão mal redigida, simplesmente tem gatilhos fajutos, já que a formulação do orçamento tem que seguir a imposição do teto de gastos. Esses “gatilhos”, agora acionados no caso de não cumprimento da “regra de ouro” (que não vem sendo cumprida há tempos), visam promover um enorme arrocho dos gastos públicos, com foco particular no funcionalismo. O mais curioso é que não há diferenciação: o juiz que ganha 40 mil e o professor que ganha 2 mil serão alvo do mesmo arrocho, abrindo-se a possibilidade de redução salarial de até 25%.

Em segundo lugar, o plano “Mais Brasil” acaba de uma vez por todas com a possibilidade de planejamento de longo prazo no Brasil. Ela simplesmente extingue o PPA (Plano Plurianual) e acaba com vinculações, obrigação de gastos e fundos voltados para educação e saúde. Na prática, a EC 95 já havia reduzido, no longo prazo, o financiamento desses serviços públicos. O que o plano Guedes busca é destruir de maneira ainda mais acelerada os serviços públicos universais de educação e saúde, redirecionando estes recursos para o pagamento de juros da dívida pública.

Por fim, depois de proibir gastos, desvincular receitas, raspar o que sobrou dos fundos públicos e desvalorizar o servidor público, Guedes propõe destruir qualquer vínculo de solidariedade entre os entes federados, promovendo uma espécie de “cada um por si” federativo, onde só sobreviverão os estados e municípios ricos. Ele chega ao descalabro de simples “extinguir” milhares de municípios, que se tornarão distritos de municípios maiores e pobres a quilômetros de distância e que já tem seus próprios problemas para resolver.

Nem os pequenos empresários vão escapar, já que o plano prevê uma forte redução das desonerações, que certamente devem atingir o SIMPLES, a folha de salário e até a cesta básica.

Em suma, o plano é a revogação da CF88 no capítulo dos direitos sociais e do pacto federativo. É um descalabro que só poderia surgir de uma mente autoritária, que não sabe o que é o Brasil e quer implementar uma ideologia atrasada que ele aprendeu na década de 60/70. Guedes e Eduardo Bolsonaro tem exatamente isso em comum: Sentem saudades do AI-5, cada um a sua forma. O mais assustador é ter gente que acha que AI-5 nos direitos políticos não pode, mas na economia “é o preço a se pagar pela estabilidade”. Já ouviram esse discurso antes?

*Guilherme Santos Mello é professor do Instituto de Economia da Unicamp e pesquisador do Centro de Estudos de Conjuntura e Política Econômica (CECON-UNICAMP)

Compartilhe agora!